Hoje não é esse dia…

Vai chegar o dia em que toda essa historia vai ser só uma lembrança gostosa, que é exatamente o que merece ser. Vai chegar a hora em que não vou temer quais serão as notícias que sempre quero receber de você. Que eu vou conseguir ler seu nome, onde quer que seja, e não sentir essa falta louca de quem, mesmo tentando esquecer, lembra, sente, deseja.

Eu acho, sim, que em algum dia vou me deitar sem pensar em você. Sem repassar pela minha cabeça sempre a mil por hora, repetidamente, como é fazer isso ao seu lado, com entrelaço e abraço, sentindo de perto seu cheiro. Acho que vou acabar esquecendo o som exato da sua risada, o movimento de todo o seu rosto quando ela é dada, e até todos os outros involuntários que saem daí nas mais variadas ocasiões. Ou vou lembrar disso tudo, mas de forma natural e fluida, nem alento, nem tormento, só um mero – porém delicioso – acontecimento.

“Delicioso” porque é assim que te defino em todos os aspectos. Corpo e mente, tudo aquilo que você cozinha, que diz, que você sente. Acho delicioso seu jeito de se aproximar nessa seriedade sorridente, que sabe exatamente o que dizer sem precisar forçar um “Jogo do Contente”, a cabeça encostada silenciosa pedindo carinho, como se fosse um cachorrinho carente, mas que sei que não chega perto, nem pertinho disso. Talvez seja mesmo leão, que ataca quando precisa e ronrona quando quer, convicto do que acredita e que, coincidentemente ou não, é o que acredito também, e a gente compartilha isso enquanto puder…

É, acho que um dia vou parar de experienciar, inclusive, saudades desse conjunto todo, ir perdendo amorzinho especial por cada pedacinho individual do seu ser até aprender a gozar do saber existência da sua companhia à distância, tá tudo ok, é isso mesmo que a gente pode ter. Porque é melhor mesmo existir do que imaginar, então se Valeu a Pena (ê-ê!)¹ que assim seja, que o sentimento adormeça e se torne a linda história que pude habitar pra nunca precisar escrever. Será o dia em que vou enfim parar de me questionar, mesmo sabendo que o primeiro deles é o melhor cenário, o que seria melhor: aprender a gostar desse seu jeito leve, alegre e equilibrado como gosta de mim, ou te ver sentir toda essa loucura intensa que eu sinto por você.

Mas hoje não é esse dia…

Hoje não é esse dia...

¹ O Rappa. Pescador de Ilusões. Rappa Mundi. Rio de Janeiro: Estúdio Nas Nuvens, 1996. Faixa 6.

Talvez você goste também de:

15 Comments

  1. eu me identifiquei de tantas formas com esse texto… passei mais de 6 anos tentando lidar com uma paixão/amor. haviam dias em que a dor era tão forte que me paralisava por completo. mas passa! demora dias, meses, anos… mas passa e ficam só as lembranças boas.

    não sei se o texto é ficção ou vc tá vivendo isso… de qualquer forma, força! o amor é meio doido, mas o que seríamos de nós sem ele?

    que venham dias melhores!!!

    bjs!
    Não me venha com desculpas

  2. As dores de amor são forte e intensas mas um dia passam, como tudo na vida. O que hoje parece ser impossível de ser suportado amanhã já não é mais tão importante. O que vale são as boas lembranças que ficam…

  3. Adorei o texto, é muito fácil se identificar com essa situação porque acho que todo mundo já viveu esse fase de tentar a se acostumar a ausência de alguém depois que acaba um relacionamento. Mesmo já estando um relacionamento a longos e bons anos ainda me lembro dessa sensação de que a dor e a falta se alguém nunca vão no deixar. Felizmente a verdade é que sim, depois de um tempo o que fica são as boas lembranças, um doce saudade sem dor nem sofrimento.

  4. Nossa, é estranho como essa certeza de “hoje não é esse dia” me é familiar. Vivenciei-a muitas vezes ao longo da vida e posso dizer que o dia chega, mas é custoso esquecer… Se é que esquecemos de verdade, porque eu acho que apenas aprendemos a viver apesar disso. Abs!

  5. Faz tempo que li um texto assim escrito por você, Luly. Acho que todo mundo tem alguma situação ou pessoa que nos deixa como você descreveu: nostálgico, sem saber como lidar com a ausência. Eu às vezes fico assim com momentos que nem aconteceram ainda hehe. Sinceramente, acho que esse sentimento só vai amenizando com o tempo porque a gente continua sentindo… só não é sempre.

  6. Fiquei me perguntando se é um texto puramente poético ou um desabafo…
    Independente da resposta sabemos que sempre chegará o dia…As vezes vamos estar tão desatentos ou em outro momento que o dia chegará e irá sem ao menos perceber…
    Abraços

  7. Como um texto que você escreveu pensando em uma situação – provavelmente da sua vida – pode caber tão bem na minha? Doido isso né…
    Espero que o meu dia chegue também. Definitivamente esse dia não é hoje.

  8. Nossa eu senti esse texto aqui dentro do meu coração </3 Voltei a minha epoca de escola em que eu era apaixonada por um boy e ele não ligava nem pra mim, enfiim, não é atoa que já escreveu um livro, né mores?

  9. Que lindo o texto! E que engajamento! Achei muito bacana esse pensamento de apenas “take it easy”. Você aceita que em alguns dias você vai sentir a dor, e em outros não. E q

  10. Ooooops:

    Que lindo o texto! E que engajamento! Achei muito bacana esse pensamento de apenas “take it easy”. Você aceita que em alguns dias você vai sentir a dor, e em outros não. E que aos pouquinhos ela vai sarando, desbotando… como sempre, só precisamos de tempo… o tempo e o ciclo natural das coisas <3

  11. Ah, Luly. Li esse texto e me identifiquei tanto com ele. Às vezes é difícil decidir entre a tristeza de deixar ir e a gratidão por ter tido a oportunidade de viver algo tão intenso, mesmo que no final não tenha saído do jeito como imaginávamos a princípio. Quando esses pensamentos voltam, eu ouço “Forgotten Love”, da Aurora. Deixa o meu coração um pouco mais manso…

  12. Oi Luly, tudo bem? Que texto mais intenso. Enquanto fui lendo me vieram muitos pensamentos à mente. Acredito que toda pessoa que já amou, que já teve em quem pensar, já sentiu esse misto de sensações. É fato que algumas pessoas devido às tristezas ou ao término desejam não ter conhecido tal pessoa, ou voltar no tempo e evitar tudo isso. Desde adolescente sempre fui mito romântica e sempre estava “apaixonada” por alguém. Mas namorados mesmo, tive apenas 3. É pouco né?!? Um deles marcou muito e as vezes volto ao passado e desejo não ter vivido isso. Outras vezes penso que isso me deixou mais forte. Afinal, deixei de ser aquela menina ingênua que eu era. Faz parte da vida, da nossa existência. Concorda? Um abraço, Érika =^.^=

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *