Um Lugar Bem Longe Daqui

Um Lugar Bem Longe Daqui

Um Lugar Bem Longe Daqui (Where The Crawdads Sing)
Poster do filme Um Lugar Bem Longe Daqui, onde a protagonista aparece ao topo, apenas o rosto, e ao centro, como uma sombra no brejo onde vive. Abaixo, o título e ficha técnica do mesmo. Elenco: Daisy Edgar-Jones, David Strathairn, Harris Dickinson, Michael Hyatt, Sterling Macer Jr., Jojo Regina, Taylor John Smith, Ahna O’Reilly, Bill Kelly, Charlie Talbert, Garret Dillahunt, Logan Macrae, Sarah Durn
Direção: Olivia Newman
Gênero: Drama
Duração: 125 min
Ano: 2022
Classificação: 14 anos
Sinopse: “Abandonada pela família, Kya (Daisy Edgar Jones) se criou sozinha nas margens de um pântano perto de sua cidade natal. Isolada de todos, ela acaba virando novamente o centro das atenções após um assassinato do qual vira a principal suspeita.” Fonte: Filmow.

Comentários: Após aprender a se virar sozinha desde a infância, contando apenas com a ajuda de um casal comerciante local, Kya cresceu na casa onde morou sua família, que a abandonou gradativamente fugindo da violência do pai abusivo. Para as pessoas que vivem em sua pequena cidade ela é “a garota do brejo”, mas para os dois rapazes com os quais já se relacionou em momentos diferentes, Chase Andrews e Tate Walker, parece ser mais que isso. Quando Chase aparece morto no pântano, porém, o romance deles é questionado, uma vez que os moradores da cidade a apontam como principal suspeita, mesmo que não existam provas contra ela. Cabe a Tate, que está de volta, e um advogado com o qual ela não lembrava de ter contato ao longo de sua vida salva-la de uma prisão que pode se injusta – ou punição ainda pior!

“Um Lugar Bem Longe Daqui” é adaptado no livro de mesmo nome da autora e zoologista americana Delia Owens e produzido, entre outros, pela atriz Reese Witherspoon, em sua produtora Hello Sunshine. Quando recebi o convite para fazer a divulgação do longa, não sabia absolutamente nada sobre ele e assisti ao trailer rapidamente, apenas para ter como apresenta-lo para as pessoas para as quais dei o ingresso. Vi que era um romance com pegadas de drama e suspense, mas nunca imaginei o que viria pela frente: uma surpresa boa de verdade! Com atuações excelentes, fotografia linda e enredo de tirar o fôlego, ele é um pacote completo que, apesar de focar em relacionamentos jovens, traz uma história tão densa que tem potencial para agradar a quem gosta dessa junção de gêneros em qualquer idade.

Imagem onde a protagonista do filme, uma jovem branca de longos cabelos escuros, aparece em destaque coletando uma pena de ave branca.

Um Lugar Bem Longe Daqui: Imagem via Omelete.

O destaque da narrativa é todinho da Kya, sua protagonista, principalmente porque a Daisy Edgar-Jones está maravilhosa no papel. É impressionante ver como alguém com tão pouca interação social, em qualquer sentido, consegue ser amável e sensível como ela, dá até aquela sensação de que o que corrompe as pessoas é a sociedade MESMO, sabe? É muito fácil sentir afinidade por ela e por quem está ao seu lado, e mais ainda antipatia profunda pelos que a tratam mal, tanto nos flashbacks, que contam sobre sua vida desde a infância, quanto na época onde a trama se desenrola, o período de seu julgamento. Essas “idas e vindas” do tempo são bem interessantes já que mostram várias fases dela adulta, interpretada pela mesma atriz, mas fica sempre claro para o expectador em que momentos ele está no “presente” ou não, sem confusões.

Leia também: Resenha do filme A Voz Suprema do Blues.

Outro aspecto muito positivo do filme é como as cenas são bonitas! Sempre muito singelas, porque retratam o cotidiano de pessoas simples, mas com detalhes e iluminação de encher os olhos. A casa da protagonista, em especial, dá vontade de alugar para passar um fim de semana, mesmo sabendo que viver ali não é fácil, porque ela transforma, com o tempo, em um ambiente de aconchego para chamar de lar. É inegável o carisma de tudo o que está ao seu redor, o tipo de personagem que te faz querer proteger, torcer para nada de mal acontecer e, no caso específico dela, conseguir provar que é inocente antes de saber se isso é verdade ou não. E, como se não bastante todo esse “durante” tão envolvente, o final consegue fazer justiça a ponto de ser a cereja do bolo, ainda mais satisfatório que todo o resto!

Trailer:

O que serei agora…

O que serei agora…

Eu escolhi ser Arte E sendo arte eu escolhi ser Livre E sendo livre eu escolhi ser Leve E sendo leve me permiti ser Eu Eu me permiti ser Cor E sendo cor me permiti ser Rosa E sendo rosa me permiti ser Prosa E sendo prosa escolhi Sentir E assim, agora...

ler artigo
Trinta e dois

Trinta e dois

Durante os primeiros meses de 2022 tive certeza que completar trinta e dois anos me traria toda a crise existencial que os trinta não trouxeram. Repito sempre que envelhecer é em mim positivo, apesar de saber que pode ser um processo MUITO cruel não...

ler artigo
18 anos do blog!

18 anos do blog!

Durante dezessete anos celebrei o aniversário do blog com posts intitulados “X anos de Sweet Luly” mas hoje, ao celebrar o décimo oitavo, mudei para “18 anos do blog!”, não à toa… Quando criei isso aqui, em 26 de junho d...

ler artigo
Um grande dia para escritoras

Um grande dia para escritoras

Em 1958, Art Kane tirou uma foto que ficou conhecida como “Um Grande Dia no Harlem”, onde 57 músicos da Era de Ouro do jazz posaram em uma escada, sendo lembrados com muito estilo como ícones época em que viveram e entrando de vez para a...

ler artigo
Página 1 de 254