Um blazer de oportunidades

A frustração era perceptível em cada pedacinho de seu corpo: ombros curvados para frente, olhar cabisbaixo e boca claramente virada pra baixo, como um emoji triste que se envia no meio da conversa. Ainda não entendia bem como os eventos daquela tarde tinham acontecido, mas sabia que não era difícil entender… Marta foi demitida após anotar um número de telefone errado, o que custou não só seu emprego mas também a paz no casamento de seu chefe. Como podia ter sido tão burra a ponto de confundir as vozes de duas mulheres? E como ELE podia ser tão burro ao sugerir que “a outra” ligasse para o escritório? Não conseguia deixar de pensar que estava pagando pelo erro de um marido traidor, isso sim, mas esse pensamento não traria seu emprego de volta, de qualquer forma…

O blazer recém comprado parecia zombar dela no armário. Na semana anterior, quando foi comprar algumas camisetas para presente de dia dos pais, o viu na vitrine ao lado e não resistiu, entrou para experimentar e três minutos depois saiu da loja com ele na sacola. O objetivo era usar no próximo mês, num evento grande da empresa, onde mostraria o quão “mulher de negócios” sabia ser para, quem sabe, ser promovida em breve. Afinal, estava lá há tanto tempo, fazendo um ótimo trabalho, não tinha motivo para não ser escolhida para o novo cargo. É, pelo visto, sua falta de atenção foi motivo suficiente… “Que ódio!” gritou para o blazer, colocando nele a culpa que mais cedo havia sido jogada toda sobre ela, afinal, não tinha mais ninguém ali pra receber essa frustração.

Não ligou a televisão e fez questão de manter a internet do celular desligada. Não queria conversar sobre aquilo, agora. Dormiu na esperança de acordar renovada, mas as 23 mensagens da mãe não vistas na manhã seguinte questionando por que estava sumida, “Filha, você tá bem? Marta, me responde senão chamo a polícia!”, mostraram que sua derrota ainda estava lá, e que não podia permanecer em segredo por muito tempo. Ligou para ela e chorou pela primeira vez desde que tudo aconteceu, o que foi bom para aliviar um pouquinho sua tristeza. Decidiu então que, uma vez que a notícia tinha começado a se espalhar, ia aproveitar pra contar pra todo mundo de uma vez! Ai, droga, ela tinha tagarelado TANTO no domingo com o pai sobre seu sucesso profissional, como falar aquilo pra ele naquele momento?

Shoulder - Blazer
Imagem via: Shoulder

Naquela mesma noite sentou-se na frente do computador para atualizar o currículo e analisar como economizar ao máximo enquanto dependesse do seguro desemprego… E se não conseguisse outro emprego nesse meio tempo? Ela não queria abrir mão daquele apartamento, o aluguel era barato e a localização incrível! Ali só tinha um quarto, não dava sequer pra procurar outra pessoa pra dividir. O desespero começou a realmente dominar suas emoções e, quando estava prestes a voltar a chorar, o celular começou a vibrar, um número desconhecido estava ligando. Atendeu segurando o choro ao máximo e quase não conseguiu lidar com o choque ao ouvir a, agora inconfundível, voz de Áurea, (ex?) esposa de seu (ex!) chefe. O que estava acontecendo? Será que ia ouvir mais gritos raivosos?

Mas Áurea estava agradecendo pela gafe da véspera! Agradecendo por ter causado toda a confusão que expôs anos de traição em seu casamento há muito tempo já falido, nas palavras dela. Estava furiosa com o fato de que tinha perdido meu emprego por causa da troca de telefones, justo agora que ela tinha admitido pra si mesma que a culpa era, realmente, sua. Conversaram por longos motivos sobre o que fazia no trabalho até então, sobre a promoção que esperava receber e (caramba!) sobre o fato de que Melinda, filha de sua prima, fazia estágio em uma empresa que procurava alguém para um cargo parecido… O salário não era o mesmo que almejava, mas seria um bom recomeço.

A ligação que começou com ameaça de lágrimas terminou com um sorriso reluzente. Revisou o currículo com ainda mais atenção e colou o papel com horário da entrevista que faria e endereço do lugar na tela do computador, pra não esquecer de jeito nenhum. Estava se questionando se devia contar pra alguém, ou esperar mesmo o resultado, quando Áurea enviou uma mensagem dizendo “Eles são bem sérios, tenta usar uma roupa formal!”, então correu até o armário e alisou com carinho o blazer, que dessa vez parecia ter abandonado o ar zombador do dia anterior e agora fazia questão encorajá-la a seguir em frente, numa reviravolta imediata e inesperada.

Talvez você goste também de:

5 Comments

  1. Que texto gostoso de ler. Adoro história assim, o relato de um acontecimento cotidiano, que pode se passar na vida de qualquer um. Fiquei pensando em como atribuímos significados aos objetos, relacionando-os com as situações pelas quais passamos. Muito legal a virada na história e na relação da protagonista com o blazer, gostei muito.

  2. Meninaaaaa, o seu talento pra escrever é incrível. Eu amei muito esse conto, sério, o relato é simplesmente perfeito <3 até me inspirou a postar alguns no meu blog também.

    bjssss
    Carol Justo | Justo Eu

  3. “A ligação que começou com ameaça de lágrimas terminou com um sorriso reluzente.”
    .
    Que texto mais perfeito! A essência é bela! Que mensagem mais gostosa! E esse trecho em especial, sério, me cativou! Parabéns! Estava passeando há pouco pelo seu blog e adorei!
    Bjs

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *