As Sufragistas

As Sufragistas

As Sufragistas

As Sufragistas (Suffragette) *****
Elenco: Carey Mulligan, Helena Bonham Carter, Meryl Streep, Brendan Gleeson, Anne-Marie Duff, Ben Whishaw, Romola Garai, Samuel West, Natalie Press, Geoff Bell, Adrian Schiller, Amanda Lawrence, Lisa Dillon, Clive Wood, Lee Nicholas Harris, Richard Banks
Direção: Sarah Gavron
Gênero: Drama, História
Duração: 106 min
Ano: 2015
Sinopse: “O início da luta do movimento feminista e os métodos incomuns de batalha. Mulheres que enfrentaram seus limites pela causa e desafiaram o Estado extremamente opressor. A história é baseada em fatos reais.” (fonte)

Comentários: Quando eu vi o primeiro trailer de As Sufragistas, meses atrás, fiquei alucinada, doida, maluca para assistir, minha ansiedade foi perigosamente nas alturas e mal podia esperar. A temática é uma que me atrai muito e o elenco idem, porque eu AMO a Meryl Streep (já sabia que veria pouco dela, como uma coadjuvante, mas ainda assim) e estava doida para ver Carey Mulligan como protagonista, uma vez que eu a conheço através de um papel bem menor em “Orgulho e Preconceito”. Só que aí o filme estreou e eu fui olhar nos cinemas afora e NÃO ESTAVA PASSANDO! Sério, a divulgação estava a mil, mas eram pouquíssimas salas em pouquíssimos lugares, li na internet e estava assim em todos os estados, reclamação geral. Felizmente, depois de quase desistir, consegui tirar um dia num momento ideal com um grupo de amigas que também estavam curiosas e fomos lá. Olha, tinha uma chance alta de decepção tamanha era a expectativa, mas felizmente não foi o que aconteceu.

Maud trabalha numa lavanderia desde nova, já possuindo um alto cargo para sua idade, e vive com o marido, que trabalha no mesmo local, e o filho pequeno. Ela não tinha interesse nenhum pela causa d’as Sufragistas, que manifestam em nome do seu direito ao voto, até ser inserida no meio por uma de suas colegas de trabalho. A partir daí ela tenta fugir, tenta desistir e tenta negar, mas acaba se tornando uma delas, sendo forçada a abrir mão de sua família, uma vez que ela se torna “uma vergonha” para o marido, de seu trabalho e até mesmo de seu “status” de cidadã de bem. Gostei muito de como a história se desenvolve junto com o interesse dela pelo que estava acontecendo: no início é lento, porque ela ainda está conhecendo, e de repente lá está ela completamente envolvida, fazendo denúncias e intervindo em absurdos, e é aí que o ritmo acelera e começa a tudo acontecer de uma vez.

O que vi de negativo foram alguns problemas técnicos, como a câmera ficar tremendo MUITO nas cenas de batalhas e tumulto, de forma que ficava até meio confuso de se entender, e a iluminação que é bem ruim nas cenas noturnas, mas desse segundo eu gostei porque dá aquela sensação de insegurança que a personagem são somente sente, mas também vive. Ótima atuação de Carey Mulligan como protagonista e, pasmem, Helena Boham Carter também está incrível, fazia tempos eu não a via em um papel em que ela pôde ser a personagem em si ao invés de algum “mais do mesmo” meio louquinho que é o que ela faz. Aliás TODAS as atrizes que interpretam as manifestantes foram ótimas, você sente e chora por cada uma delas, como não podia ser diferente. Mesmo Meryl Streep como Emmeline Pankhurst, que aparece por três minutos, consegue trazer algumas das várias citações maravilhosas ao filme e mostrar a relevância de sua personagem na história, mas sem deixar de destacar cada uma daquelas que lutaram ao lado dela e que eram tão importante quanto.

“We don’t want to be lawbreakers, we want to be lawmakers.” – Emmeline Pankhurst

É impressionante em como a gente fica com o impacto do que está vendo, se orgulha do que mudou e, claro, sente o peso absurdo do que não mudou. Por um lado dá pra pensar “Meu Deus, essa situação absurda tem SÓ cem anos!” e por outro reflete “Uau, já fazem cem anos e quanta coisa continua igual…”. Nos créditos finais aparece uma lista de vários países com a data em que o voto foi liberado para mulheres e é chocante pensar que em alguns lugares isso ainda é discutido (ou nem ao menos cogitado). “Apanha do marido, mas também, ela provoca”, “Controle sua mulher”, “Fica quietinha, assim, você sabe que eu gosto” são só algumas quase frases (porque não são exatamente essas) soltas do filme que passam quase sem que a gente perceba, mas que ainda existem mulheres que são obrigadas a ouvir nessas situações, mesmo após todos esses anos…

Trailer:

Follow my blog with Bloglovin

Let Them All Talk: ritmo lento regado a citações incríveis

Let Them All Talk: ritmo lento regado a citações incríveis

ler artigo
Cruella: um filme regado a moda, dálmatas e rock n’ roll!

Cruella: um filme regado a moda, dálmatas e rock n’ roll!

ler artigo
O Sorriso de Mona Lisa, Katherine Watson e eu

O Sorriso de Mona Lisa, Katherine Watson e eu

ler artigo

Comente este post!

  • Carol Mendes

    Eu assisti esse filme outro dia e fiquei com a mesma reação que a sua. Muita coisa mudou em relação a leis mas em relação ao dia-a-dia da mulher, vemos pouca diferença de como éramos tratadas antigamente e agora. Sobre o que você disse de ter poucos lugares passando o filme: parece até que não querem que “eduquem” as pessoas sobre esse movimento que continua até hoje…

    Adorei seu blog e já to seguindo!
    Virando Amor

    responder
  • Bianca

    Quero muito assistir a esse filme, mas não está passando por aqui 🙁 . Sua resenha me deixou com mais vontade de assistir ainda.
    Beijos

    responder
  • Gaby

    Oi Luly, tudo bem?
    Não tinha ouvido falar sobre esse filme, mas a sua resenha ficou super interessante e vou procurá-lo para assistir. Não somente pelo papel da Bellatrix em Harry Potter que gosto muito da atuação da Helena Bonham Carter. Ótima dica! 😉
    Beijos :*

    responder
  • Bela

    Miss M. Streep deve tá AHAZANDO NESSE FILME!!!
    Preciso assistí-lo!!!
    Vou baixar pra JÁ!

    responder
  • Thayse Stein

    Gente, que incrível esse filme. Eu nem tinha prestado muita atenção e só ouvi falar bem superficialmente. Fiquei com aquela vontade imensa de assistir, tô bem curiosa pra ver e reparar em tudo isso que tu mencionou… principalmente nas mudanças e no que ainda precisa muito mudar.

    Beijos,
    brilhodealuguel.com

    responder
  • Poly

    Odeio quando filmes assim são descartados pelos cinemas e só ficam em poucas salas em cinemas distantes e por apenas uma ou duas semanas.
    Como podem ter a ousadia de desprezar um filme com a Meryl Streep no elenco? Ainda não assisti, mas estou morrendo de vontade de ver! Essa história de luta das mulheres deixa meu Girl Power aflorado.
    Preciso muito assistir!!!!!
    Bjuxxxxxxx

    responder
    • Luly

      Não dá pra entender… Empresa grande, elenco enorme, divulgação gigante… É como se o assunto fosse “cult”, como se não quisessem que a gente assistisse!

      responder
  • Gabriela Gomes

    Nunca assisti esse filme, parece ser bom! Acho o tema bem interessante. Adorei o post, ficou ótimo.
    http://www.espacegirl.com

    responder
  • Luly

    Carol Mendes on February 9, 2016 at 1:36 pm said:

    Eu assisti esse filme outro dia e fiquei com a mesma reação que a sua. Muita coisa mudou em relação a leis mas em relação ao dia-a-dia da mulher, vemos pouca diferença de como éramos tratadas antigamente e agora. Sobre o que você disse de ter poucos lugares passando o filme: parece até que não querem que “eduquem” as pessoas sobre esse movimento que continua até hoje…

    Adorei seu blog e já to seguindo!
    Virando Amor

    Sim! Trataram um filme como algo “cult” e “selecionado” sendo que o tema é mega atual é precisa é ser trabalhado na vida de todo mundo!

    responder
  • Mari

    Nossa, amei a sinopse desse filme e estou muito curiosa para assistir. O pior é saber que essa luta feminista ainda não acabou, que o machismo está aí presente e que muita gente ainda faz pouco da luta dessas mulheres que começaram o movimento.
    Vou dar um jeito de assistir, com certeza.
    Beijos
    Mari
    http://www.pequenosretalhos.com

    responder
  • Nathália // Fashion Jacket

    Quero muito assistir esse filme!
    =]

    Beijinhos
    n. // http://www.fashionjacket.com.br

    responder
  • Carol

    Não conhecia esse filme, mas me interessei muito pela história! A frase destacada já mostra o quanto a história deve ser impactante!
    Beijos
    BlogCarolNM

    Gostaria de pedir a sua ajuda respondendo a pesquisa, para que eu torne o blog cada dia melhor para você: http://www.blogcarolnm.com.br/2016/02/pesquisa-do-blog.html

    responder
  • Carol R.

    O tema do filme é bem interessante
    bjs

    responder
  • Simone

    O tema é forte, gostei pois se baseia em fatos reais, já quero assistir
    http://www.charme-se.com/

    responder
  • Adriel Christian

    oi, oi.

    eu ainda não vi o filme, mas ele tá na listinha. lembro da época em que eu vi o trailer e fique mó louco pra vê-lo devido ao tema que tratava. mesmo não sendo feminista e nem fazer parte de nenhum movimento, super apoio a luta das mulheres pelos os seus direitos e apoio sempre.

    vou ver se encontro o filme online, pq aqui na cidade acho que não veio e nem virá-. =/

    bjs!

    responder
  • Natália Biazzi

    Nunca assisti a esse filme, mas quero muito ver porque a história parece ser ótima.
    Adorei a resenha.
    Beijos
    Infinita Feminice

    responder
  • Natz Sodré

    Nunca ouvi falar nesse filme, também ADORO a Meryl então já fiquei curiosa haha, esses defeitos que você mencionou deve ser propositais, estilo o filme a Bruxa de Blair, para deixar a história mais realista.. Beijokas 🙂

    responder
  • Larissa Santos

    Parece ser muito interessante, poder ver o desenvolvimento dos direito das mulheres, achei muito legal e pretendo assistir !
    bjos
    http://geekinsana.blogspot.com/

    responder
  • Natasha Romaszkiewicz

    AAAAAAI LULY! Eu e minha mãe queríamos MUITO assistir, mas não estava passando aqui em Jundiaí!!!! Por que será isso, né? Achei que era só aqui!! Talvez precise esperar sair na tv… Amei DEMAIS o post e ler isso aqui “Helena Boham Carter também está incrível, fazia tempos eu não a via em um papel em que ela pôde ser a personagem em si ao invés de algum “mais do mesmo” meio louquinho que é o que ela faz. ” foi o máximo! Quando a vi na foto do filme já fiquei meio “nhéééé” pq os papéis são seeeeeeempre iguais, né? Mas que bom que nesse caso foi diferente haha

    Um beijo, Na!
    http://www.hamburguesinha.com.br

    responder
  • Ana Paula Camina

    Muita vontade de assistir esse filme. Não sabia da existência dele até ler seu post! 🙂

    responder
  • Thami Sgalbiero

    Eu estou louca pra ver esse filme, principalmente pelo assunto que ele aborda, desde o momento que ele foi divulgado. Pena que vai passar em poucos cinemas aqui da cidade, e olha que moro na cidade grande ein :/

    Beijos!

    responder
  • Monica Castro

    adorei a visita e conhecer o blog.
    Eu participo de um grupo Leitura Inesquecível 2016 e desde que, estou no grupo passei a ler bem mais…
    Os livros são ótimos… bjs

    responder
  • Júlia Evelyn

    Vou convidar azamiga feminista pra assistir, rs.
    Amei conhecer o blog! Bjinhos.

    responder
  • Lorraine Faria

    Ainda não assisti o filme mas lembro bem a revolta que eu vi em alguns grupos que eu participo sobre a falta de cinemas ou a quantidade limitada de salas em que ele estava passando! Não sabia que a Meryl participava dele, sou fãzona 😀

    beeeijo

    responder
  • Taís

    Que demais! Eu só tinha ouvido falar meio por cima, mas não sabia muito bem do que se tratava, agora tô aqui doida pra ver o filme, quem sabe já pego pra ver esse final de semana, parece ser muiito bom mesmo!

    bjus :*

    responder
  • Amanda Z.

    Não conhecia, mas só pela resenha, já adooorei =D
    Parece ser muito bom! ^^
    Já entrou para minha lista.

    Amore, tem post novo lá no blog, te convido a conferir =D

    Beijos
    Amanda Z.
    http://www.diariodelooks.com

    responder
  • Aninha Diniz

    Luly, ainda não conhecia este filme, não havia visto o trailer, mas já quero assistir.
    Adoro temas onde a mulher luta pelos seus ideais.
    É inspirador.
    Obrigada pela dica!

    Um Beijo!

    http://www.aninhadiniz.com.br

    responder
  • Raphael Netto

    EI Luly!!
    Já ouvi criticas ótimas sobre o filme, mas não nasceu aquela vontade de ir assisti-lo… Como não gosto de ver trailers, não sabia muito bem do que se tratava, mas depois de ler sua resenha eu fiquei com vontade de ver! hahaha E fora que amo a Maryl Streep!

    responder
  • Cris

    Primeiro: eu não sabia que Carey Mulligan estava em Orgulho e Preconceito! Fui até no google pesquisar pra ver quem era hahahahaha Eu quero muito ver esse filme também e fiquei sentida dele não ter sido indicado ao oscar, parece ser tão bom!
    Beijos! =**

    responder
  • Thaiane e Thalita

    Ainda não tínhamos visto e lido nada sobre esse filme, achamos super interessante o assunto que é abordado, ótimo para perceber o que mudou e o que ainda precisa ser mudado!!!

    beijos

    http://www.onlyinspirations.blogspot.com.br/

    responder
  • Kézia Martins

    Adorei esse lance nos seus comentarios de “comentou a primeira vez”, “comentou 12 vezes” kkkk <3
    Enfim, sobre sobre o post. Eu to louca pra assistir esse filme. Eu amei o trailer e amei a ideia de falar sobre as mulheres desse jeito, de um jeito real sabe? Sou feminista e estou ansiosa pelo o filme desde que vi ele no site do Superela (que é onde tbm escrevo). Amei seu blog flor <3
    http://b-uscandosonhos.blogspot.com.br/

    responder
  • Katarina Holanda

    Esse filme tá na minha lista há um tempo, to doida pra ver! Sempre tenho esse sentimento em relação ao tempo nesses acontecimentos históricos. :/

    responder
  • THAIS

    Primeiro eu quero agradecer muiiiito o seu comentário no meu post. Apesar de ter o blog há meses, sempre tenho muita vergonha de postar textos com minha opinião e comecei a ter coragem de fazer isso há pouco tempo. Comentários como o seu incentivam muito e ciscos caíram no meu olho quando eu li.
    Segundo quero parabenizar pelo Blog…já vi que temos muito em comum! 🙂
    E terceiro: to louca pra assistir esse filme….

    responder