A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes – Suzanne Collins

A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes: Instrumento de cordas pequeno e marrom à esquerda da imagem, ao lado do livro resenhado. Ao fundo, uma camiseta preta com o símbolo da saga Jogos Vorazes, um pedaço de papel arco-íris em um canto e um marador de livro da saga Jogos Vorazes ao lado.

A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes – Uma história da série Jogos Vorazes (The Ballad of Songbirds and Snakes)*****
A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes: capa do livro verde escura com um alvo alternando entre a cor do fundo e um tom mais claro. Ao centro, um tordo dourado olha pra cima montado em um galho onde há uma cobra da mesma cor. O título encontra-se em cima da imagem e abaixo o nome da autora. Autor: Suzanne Collins
Gênero: Distopia
Ano: 2020
Número de páginas: 576p.
Editora: Rocco Jovens Leitores
ISBN: 9786556670058
Sinopse: “É a manhã do dia da colheita que iniciará a décima edição dos Jogos Vorazes. Na Capital, o jovem de dezoito anos Coriolanus Snow se prepara para sua oportunidade de glória como um mentor dos Jogos. A outrora importante casa Snow passa por tempos difíceis e o destino dela depende da pequena chance de Coriolanus ser capaz de encantar, enganar e manipular seus colegas estudantes para conseguir mentorar o tributo vencedor. A sorte não está a favor dele. A ele foi dada a tarefa humilhante de mentorar a garota tributo do Distrito 12, o pior dos piores. Os destinos dos dois estão agora interligados – toda escolha que Coriolanus fizer pode significar sucesso ou fracasso, triunfo ou ruína. Na arena, a batalha será mortal. Fora da arena, Coriolanus começa a se apegar à já condenada garota tributo… E deverá pesar a necessidade de seguir as regras e o desejo de sobreviver custe o que custar.” (fonte)

Comentários: Para os fãs da trilogia Jogos Vorazes, Coriolanius Snow é o déspota presidente de Panem, uma nação distópica localizada onde hoje é a América do Norte, que condena anualmente duas crianças de cada um dos seus doze distritos a esse reality show onde elas devem se matar para que reste apenas um vencedor. Na 74ª edição dos Jogos uma heroína surgiu ameaçando sua soberania, mas e se voltarmos várias décadas no tempo, na 10ª edição… Quem era Coriolanius então? Aos 18 anos, ele já apresentava sinais de ser tão venenoso quanto sabemos ser capaz ou foi apenas corrompido pelo tempo? Como chegou na sua busca violenta ao poder apresentada em “A Esperança”? Em A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes, publicado dez anos depois do lançamento da saga no Brasil, Suzanne Collins traz muitas respostas e tantas outras perguntas através de um incrível romance prólogo!

Instrumento de cordas pequeno e marrom à esquerda da imagem, ao lado do livro resenhado. Ao fundo, uma camiseta preta com o símbolo da saga Jogos Vorazes, um pedaço de papel arco-íris em um canto e um marador de livro da saga Jogos Vorazes ao lado.

Apesar de me considerar fã da trilogia original e de ficar empolgada com o lançamento desse livro ano passado, eu não tinha nenhuma expectativa real para ele. A premissa já sabia: nessa história o jovem Snow é mentor do tributo feminino do Distrito 12, o mais miserável deles e casa da nossa Katniss Everdeen, sendo até foi mencionada superficialmente pela própria no primeiro livro. Não sabemos, porém, mais nada sobre Lucy Gray ou até mesmo sobre ele nesse momento da vida. É uma Panem diferente, com problemas diferentes, personagens diferentes e até mesmo um protagonista diferente do antagonista que ele foi depois. Ainda assim, sabendo do teor da trama, do título super curioso e até do fato de que a publicação é um calhamaço de mais de 500 páginas, me joguei nela com total neutralidade. Talvez por isso achei tão MARAVILHOSO, ou pelo simples fato de que é, mesmo.

“As pessoas tinham memória curta. Elas precisavam andar em volta dos destroços, pegar cupons de racionamento de alimentação e assistir aos Jogos Vorazes para que a guerra permanecesse viva na mente.”

A construção do Snow (que não consigo chamar pelo primeiro nome de jeito nenhum) é, pra mim, o ponto mais positivo de todos. Entre dois clichês que não gosto muito, o “ditador mirim” que sempre foi assim e o rapaz completamente inocente que é corrompido de supetão, o caminho escolhido foi um terceiro e ideal. Um adolescente já ambicioso, disposto a tudo para chegar onde quer e superar a decadência na qual sua família foi jogada, mas longe de um assassino frio e cruel. A essência está lá, em pensamentos eugenistas e sentimento de superioridade, mas existe, ainda, algum grau de humanidade dentro dele também, capaz de sentir carinho, empatia e até amor por algumas pessoas. Ele me soou real, como qualquer pessoa que conhecemos quando nova e encontramos anos depois, alguém que mudou com o tempo, mas tinha pedacinhos do que se tornou lá atrás.

Página inicial da primeira parte do livro, onde se lê 'Parte 1 - O Mentor', como elementor quadrados ao redor dando sensação de pixels. O Instrumento está levemente em cima do canto superior da página.

Outro aspecto maravilhoso, que já era uma característica dos outros livros (e destaquei no desafio sobre eles respondido muitos anos atrás) é o fato que a escrita da Suzanne é muito, muito, muuuuuuuuuito envolvente. Nesse ela criou uma versão ainda mais cruel dos Jogos, sem todo o glamour que passou a ter com o tempo, o que significa ver os tributos tratados com uma desumanidade tão grande que chega a dar enjoo, fora todo o cenário de guerra ainda recente em diversos elementos. Entretanto, mesmo nos momentos mais indigestos, é IMPOSSÍVEL conseguir parar de ler até acabar! Eu o peguei justamente por ser longo, estava sem saber o que ler e escolhi algo que achei que duraria mais tempo pra poder pensar no que engatar em seguida, mas em menos de dois dias já tinha acabado. Ela é genial, a gente até esquece de respirar, às vezes!

“Vocês não têm o direito de fazer pessoas passarem fome, de puni-las sem motivo. Não têm direito de tirar a vida e a liberdade delas. Essas são coisas com as quais todo mundo nasce e não são suas para serem tiradas assim. Vencer uma guerra não lhes dá esse direito.”

A história é dividida em três partes: O Mentor, O Prêmio e O Pacificador, narrados na terceiro pessoa do passado. É interessante porque os Jogos Vorazes são mostrados de fora pela primeira vez, já que o protagonista não está na arena, e ocupam o “meio” da história, de forma que o clímax não acontece ali dentro. Somos apresentados a novidades que essa edição tem em relação às anteriores, que nos levam ao formato que já conhecemos, e novas personagens muito bem trabalhadas, principalmente Sejanus Plinth, que traz mensagens maravilhosas e é uma voz de esperança em meio a tanto horror, e a própria Lucy, tão complexa e cheia de camadas que fica difícil ser lida do começo ao fim, ainda mais tendo a visão deturpada do Snow sobre tudo – e ela principalmente – para te enganar. A gente passa o livro tentando ver além do que ele vê.

Visão lateral do livro, com o instrumento ao fundo e o marcador em baixo.

No quesito “fan service”, A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes também é um prato cheio. Logo de cara reencontramos uma coadjuvante super querida, que surpreende por ter uma proximidade familiar com o protagonista e explica muito do que demonstra sentir por ele anos depois, além de alguns nomes que soam como de antepassados de outros conhecidos. A jornada pela cultura do Distrito 12, então, é muito gostosa, relembrando as principais músicas que emocionam por terem sido importantes pra Katniss e surpreendendo ao entender definitivamente sua origem. Aliás, falando em Katniss, ela não ficou esquecida, não! Sessenta anos antes do seu nascimento nossa Garota Em Chamas é homenageada lindamente sem nenhuma forçação de barra. Realmente, um grande prólogo à altura do enredo principal, não vejo a hora de assistir ao filme também!

“Rosas são vermelhas, violetas, como o mar.
Os pássaros sabem que sempre vou te amar.
Sabem que vou te amar, ah, sempre vou te amar.
Os pássaros sabem que sempre vou te amar.”

Se eu tiver realmente que destacar um lado negativo, e novamente falando de forma muito pessoal, acho que eu queria um final um pouquinho mais fechado em alguns pontos. [INÍCIO DA ÁREA DE SPOILER] Entendo que uma não finalização da trajetória da Lucy Gray é pura poesia, faz apologia à música dela, mas continuo querendo saber o que aconteceu. Fora isso, o final é impecável, muito louco presenciar o primeiro envenenamento direto desse grande vilão sabendo que tantos outros estavam por vir. [/FIM DA ÁREA DE SPOILER] Tirando esse detalhezinho, não tenho do que reclamar. Mais uma vez você se engana em alguns pontos, quase acreditando ler uma história de amor (e quaaase torcendo por ela), mas no fundo está cara a cara com uma trama política complexa e aterrorizantemente próxima da nossa realidade.

Citação da música 'A Árvore Forca' presente no livro, com o marcador comemorativo dos 10 anos de Jogos Vorazes em baixo.

Suzanne Collins tem 58 anos e nasceu em Hartford, Estados Unidos. Depois de se formar em Teatro e Telecomunicações em Indiana, trabalhou como roteirista em programas infantis da Nickelodeon, até lançar “Jogos Vorazes” em 2008, seguido de “Em Chamas” em 2009 e “A Esperança” em 2010, que foram adaptados para o cinema entre 2012 e 2015 com jennifer Lawrence no papel de Katniss e Donald Sutherland interpretando Snow. Ela chegou a publicar outros livros não relacionados à saga nesse meio tempo, alguns deles disponíveis no Brasil, até retomar a esse universo tão premiado e aclamado agora, em 2020, em “A Cantigas dos Pássaros e das Serpentes”. É possível conhecer sua obra mais afundo no site oficial, suzannecollinsbooks.com (em inglês).

Continue Reading

Tag Literária: Deuses do Olimpo

Tag Literária Deuses do Olimpo

Aaaaah, que saudades de responder uma tag sobre livros por aqui! Esse ano estou lendo menos do que nunca, então está difícil falar do assunto, infelizmente. Mas hoje isso vai mudar: a Rubyane do Epílogo em Branco me indicou a tag literária Deuses do Olimpo há uns dias e foi gostosa de responder demais porque mitologia grega é um assunto que eu absolutamente AMO DE PAIXÃO! São 14 perguntas (meu numero favorito) criadas pelos blogueiros Davyd, do Encontro com Livros, e Magno do Diálogo Literário!

Regras:
01)Indicar no mínimo 5 blogs;
02) Dizer quem são os criadores da TAG.
03) Dizer quem te tagueou.

01. Zeus: Rei dos Deuses

Qual livro é o rei da sua estante? Essa pergunta pode ter muitos significados, né? Pode ser seu livro favorito, o mais caro, o que teve mais impacto na vida, etc… Eu resolvi falar do meu livro mais “imponente”, que é o “Devoção e Arte”, da Beatriz Coelho. Esse foi o primeiro livro que comprei quando entrei na faculdade e como minha turma era a primeira de graduação em Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis da UFMG tivemos uma sessão de autógrafos e lanchinho com a dona Beatriz na época que compramos. Foi MUITO incrível! Acho que ele é meu livro mais caro, e também é o mais bonito, com imagens em altíssima resolução de várias esculturas de igrejas barrocas mineiras. Pra quem é da área, vale a pena!

Tag Literária Deuses do Olimpo
Cantinho da estante com alguns livros de arte, entre eles “Devoção e Arte” (empoeiradíssimos!)

02. Hera: Deusa do casamento

Um casal que você shippa? Bom, eu sou a maior shipper de todos os tempos e tô sempre shippando tudo e todos, mas nesse caso resolvi falar dos dois personagens que eu MAIS shippo e há mais tempo. Meus queridinhos, meus seres favoritos na ficção, meu casal número 01: Rony e Hermione!

03. Poseidon: Rei dos Mares

Qual livro você jogaria no mar do esquecimento? Não, não falarei da Saga Crepúsculo, não se preocupem… Veja bem, eu obviamente não gostei da história porque já não era mais público alvo na época, além de ter críticas severas à influência que ela causa, mas pelo menos consegui TERMINAR os livros… E não foi assim com “O Segredo”, da Rhonda Byrne. Não sei se auto ajuda não é pra mim ou o que, mas abandonei sem dó. A ideia é muito bacana e tal, mas o livro inteiro poderia ter sido resumido no primeiro parágrafo: ela “conta” o segredo e depois fica mostrando como aplicar em todos os aspectos da sua vida. Isso significa que é só uma repetição sem fim do que já foi dito! Só sei que não cheguei no final, pode ser que esteja sendo injusta, mas é que não deu, MESMO!

04. Deméter: Deusa da Agricultura

Imaginando que sua bagagem literária é uma árvore, qual foi o livro semente? Obviamente “Harry Potter e a Pedra Filosofal”. Se pensar beeem antes, na época que aprendi a ler, eu poderia dizer “Flicts”, do Ziraldo, que foi meu favorito de infância, mas seria injusto. Foi J. K. Rowling quem me ensinou a gostar de ler, esse mérito é só dela!

Tag Literária Deuses do Olimpo
Hermione, Rony e minha breve coleção de edições de “A Pedra Filosofal”. Todos foram presentes: a 1ª edição brasileira da minha madrinha no natal de 2000, a ilustrada e a de 20 anos da Grifinória do Gil em dois aniversários seguidos e a nova de capa dura da Editora Rocco! Os Funkos também ganhei, dessa vez da Lili!

05. Hades: Deus dos Mortos

Um personagem que você mataria? Não faço a mínima ideia, acho que todos os personagens que eu queria ver morrendo ou que achei isso necessário realmente morreram. Deixem ideias aí nos comentários pra eu ver se concordo!

06. Héstia: Deusa virgem do lar

Qual personagem você levaria para casa? Bom, já que o assunto aqui são Deuses do Olimpo e Hades acabou de ser citado, vamos falar do mais lindo dos filhos dele: Nico di Angelo! Nico é minha personagem favorita das séries de mitologia greco-romana do Rick Riordan, seja Percy Jackson, Heróis do Olimpo ou mesmo essas “pontas” nas Provações de Apolo. Acho ele complexo e maravilhoso! Tanto que coloquei o nome dele no meu falecido cacto e em um dos protagonistas dos próximos livros que estou escrevendo (e, se tivesse um filho biológico um dia, cogitaria como possibilidade também).

07. Afrodite: Deusa do Amor e da Sensualidade

Um livro pelo qual você se apaixonou? Eu preciso caprichar BEM na resposta da pergunta referente à minha “mãe divina”, né? E vou, porque esse (junto com “O Prisioneiro de Azkaban”) é meu livro favorito: “Extraordinário”, da R. J. Palacio! Ah, como eu AMO Auggie, Via e todos seus amigos, não dá nem pra colocar em palavras. Eu já fiz um post dedicado a ele uma vez e tô contando os dias pra sair o filme, que estreia em novembro!

Tag Literária Deuses do Olimpo
A família do Auggie quase completa!

08. Apolo: Deus do Sol e da Arte

Um personagem artista? Serve um escritor? Porque escrever é arte! E nesse caso o personagem é o próprio autor do livro: John Grogan, de “Marley & Eu”, a história maravilhosa da “vida e o amor ao lado do pior cachorro do mundo” que arranca lágrimas de toda e qualquer pessoa com o mínimo de sensibilidade no coração, hahahaha!

09. Ártemis: Deusa virgem da caça

O livro que te levou a grandes aventuras? Bom, eu não queria falar de Harry Potter de novo pra não ficar repetitivo, mas não dá, né galera? Foi a série que me ensinou a ler por diversão, que me apresentou vários dos melhores amigos que tenho hoje, que por mais que eu tenha relaxado um pouco em alguns aspectos continua me emocionando muito. Eu sou vice presidente de um fã clube, caramba! Pensei em citar o “Destrua Esse Diário” que traz aventuras em outros aspectos, mas seria injusto, simples assim!

10. Ares: Deus da Guerra

Um livro ou personagem que te deixou com ódio? Falaremos de um personagem, então, melhor. Recentemente falei aqui no blog do “Todos, Nenhum: Simplesmente Humano”, que fala sobre fluidez de gênero. Senti profundo ódio de todos os personagens que praticavam bullying com Riley, mas principalmente o “líder” deles e sua atrocidade final.

11. Atena: Deusa Virgem da Sabedoria

Um personagem que te inspira? Estamos evitar HP demais, então vou esconder Hermione para citar meu personagem favorito de “O Senhor dos Anéis”: Aragorn! Eu já gostava dele nos filmes, mas meu coração ainda batia mais forte por Sam e Legolas, até que li os livros e Passolargo assumiu esse amor de vez! Tanto que eu dei para minha gata o nome da esposa dele, Arwen!

12. Dionísio: Deus do vinho e das festas

Qual foi a sua maior ressaca literária? Quando eu li de uma vez os três livros da série “Jogos Vorazes”… Aquilo ACABOU COMIGO! Fiquei horas pensando como seria ruim se o mundo funcionasse daquele jeito até enfim perceber que já funciona. Mas o lado bom é que hoje eu sei que se precisar ser Katniss pra não deixar algo parecido acontecer de vez, eu serei!

13. Hefesto: Deus do Ferro e do Fogo, Ferreiro dos Deuses

Um livro que tenha ferro ou fogo na capa? Eu tinha escolhido “O Hobbit”, do Tolkien, cheguei a tirar a foto pro post e tudo mais… Até que percebi que não é fogo que está ilustrado e sim ouro! Que lerdinha, né? Mas tudo bem, as moedas de metal representam o ferro e o dragão Smaug cospe fogo, então tá valendo!

Tag Literária Deuses do Olimpo
Um “Percy Jackson” porque essa tag pedia ao lado de “O Hobbit”!

14. Hermes: Deus do comércio, Mensageiro dos Deuses

Um livro que você não compraria ou se arrependeu de ter comprado? Bom, vamos respirar fundo antes de responder essa porque é uma resposta meio triste. Eu me arrependi muito de ter comprado “O Livro do Bem”, da Ariane Freitas e da Jéssica Grecco. É o livro interativo mais fofinho que já vi, as atividades são bem lindas e já fiz várias delas, mas acaba que quando você tem mais de um desses vai cansando, sabe? Na hora da compra uma empolgação danada, mas depois fica lá, ocupando espaço… Não quero morrer por causa dele, não, mas se pudesse voltar atrás teria deixado passar.

E agora seis lindezas para responder essa tag: Clay, do Sai da Minha Lente, Renatinha, do Clumsy Luv, Rê, do Retipatia, Poly do Poly Pop, Adriel do Não Me Venha Com Desculpas e Gil, do canal Menino Gil!

Continue Reading

Look at Luly: ANIME SE

Look at Luly

Embora não fosse minha proposta original eu estou gostando da ideia de fazer do “Look at Luly” uma tag mensal (sim, vou manter esse nome!), mas esse vai ser um caso especial…
Só que antes de explicar o motivo vou falar sobre o evento onde usei os dois “looks” em questão: o ANIME SE, que rolou nos dias 7 e 8! Bom, o que eu ouvi por lá é que é um evento já grande em Betim, mas foi sua primeira edição aqui em Belo Horizonte mesmo, então era tudo um grande teste feito pra dar certo. A Cia do Ponto resolver participar com um estande e lá fui eu para ajudá-los, então fui mais pra trabalhar do que pra participar em si. O resumo geral do evento é que o pessoal tá de parabéns em quase tudo, mas falharam mortalmente na escolha do lugar. Foi lá no Mercado das Borboletas, que fica no Mercado Novo aqui de Belo Horizonte e, gente, o lugar é underground nível trash supremo! Sério, terrível, daqueles que você não se arrisca a ir com um sapato aberto e nem a usar duas calças jeans diferentes nos dois dias pra não sujar mais de uma. Cheio de corredores abandonados, goteiras que deixaram tudo encharcado, gatos magrelos de rua que deveriam ser os bichos mais limpos que já pisaram ali… Horroroso! O Gil tinha tentado me alertar antes e eu até tinha visto fotos, mas chegando lá era pior do que eu pensava, hahaha.
Fora isso preciso dizer: a equipe tá de super parabéns! Todos eles mega prestativos, sempre preocupados se estava tudo bem, se esforçaram muito para tentar desviar de todos os problemas que o lugar causou. No primeiro dia em que o andar onde foi o evento teve um problema de perda de espaço por causa da chuva eles super cooperaram pra que todo mundo ficasse com um estande legal e no segundo dia mudaram o evento de andar pra melhorar pra todos. Fora isso deram água para todos os participantes (inclusive pr’a gente!) para ninguém ficar morrendo de sede. Acho que a próxima edição tem tudo para ser muito boa se for feita em um lugar melhor!
No sábado as vendas foram meio baixas, mas o domingo compensou bastante. É muito gostoso pra mim estar com eles nesses eventos porque eu me divirto tanto dentro do estande entre a gente quanto também socializando com o pessoal que vai pra participar, tem gente de todo tipo!

Agora vamos falar dos looks em si e explicar o post “separado”… A verdade é que eu não “montei” looks nos dias, muito pelo contrário. O que eu pensei foi camisa da loja + a mesma calça jeans + pés tampados dos mosquitos e demais ameaças! Sendo assim eu nem postei os dois no Lookbook nem nada, tirei foto só pra postar aqui mesmo.
Falando nisso, consegui um lugar que presta pra tirar as fotos! A primeira ainda tá meio mal tiradinha com uma baguncinha atrás, mas a segunda eu já soube fazer melhor e aí vocês vão fingir que não repararam.

Look at Luly

– No primeiro dia eu usei o que era o último lançamento da loja: a camisa do Acampamento Meio-Sangue! Percy Jackson virou meu novo vício e vai merecer um post especial com vídeo-tag depois, gente, estou apaixonada… Aí quando a Mari me falou que ia fazer a Daninha já pediu uma pra ela e uma pra me dar de natal (adiantadíssimo!). A foto ficou simplezinha, mas a gente mandou personalizar atrás com o número dos Chalés: o meu 10 e o da Daninha 6. Tem foto das costas dela no Instagram, ficou linda.
Fora isso foi o que falei. Usei mesma calça confortável tanto sábado quanto domingo e meu par de All Stars mais velho e confortável, mesmo sendo rosa e não tendo muito a ver com a camisa alaranjada. E minha mochila de sempre que virou a mochila de eventos porque cabe tudo e tem mil bolsos.
Depois eu pretendo usar e fotografar um look digno de filha de Afrodite com essa blusa, me aguardem!

– O segundo dia foi especial porque eu saí de lá direto pra apresentação de balé da minha prima, aí tinha que ir mais arrumadinha… Escolhi então a blusa de Jogos Vorazes (já tem look com ela AQUI) que é a mais bonita lá da loja. Como o tempo estava menos insuportavelmente quente eu pude usar então REALMENTE do jeito que queria ter feito na estreia de Em Chamas e não fiz: com as botas e a trança da Katniss, quase um cosplay sem armas. Ficou bonito!
Na verdade eu não estava com a trança no dia (que feio, Luly…) porque com o balé depois eu não queria marcar meu cabelo, então fiz só uma tiara de trancinha fofa e essa aí da foto é meramente ilustrativa pra fingir que consegui meus objetivos, hehe – apesar de que com a tiarinha tava bem mais bonito do que com a trança em si. Já a bolsinha da Kipling eu usei durante o evento pra guardar dinheiro, celular e etc (e levei ela no balé depois), mas eu tava com a mochilona no dia pra levar tudo que precisava, só achei desnecessário mostrá-la na foto tendo essa aí pra aparecer também.

Enfim, no fim do mês tem mais lookzinhos de resumão do mês, bonitinhos e apresentáveis, pra hoje serão só esses com carinha de cansada mesmo. Câmbio, desligo!

Continue Reading

Jogos Vorazes: Em Chamas

Em Chamas Jogos Vorazes: Em Chamas (The Hunger Games: Catching Fire) *****
Elenco: Jennifer Lawrence, Josh Hutcherson, Liam Hemsworth, Donald Sutherland, Woody Harrelson, Sam Claflin, Jena Malone, Lynn Cohen I, Jeffrey Wright, Amanda Plummer, Elizabeth Banks, Stanley Tucci, Willow Shields, Philip Seymour Hoffman, Lenny Kravitz, Alan Ritchson, Bobby Jordan, Bruno Gunn, E. Roger Mitchell, John Casino, Maria Howell, Meta Golding, Patrick St. Esprit, Stephanie Leigh Schlund
Direção: Francis Lawrence (II)
Gênero: Ação, Aventura
Duração: 146 min
Ano: 2013
Sinopse: “Este é o segundo volume da trilogia Jogos Vorazes, baseada nos romances de Suzanne Collins. A saga relata a aventura de Katniss (Jennifer Lawrence), jovem escolhida para participar aos “jogos vorazes”, espécie de reality show em que um adolescente de cada distrito de Panem, considerado como “tributo”, deve lutar com os demais até que apenas um saia vivo. Neste segundo episódio da série, após a afronta de Katniss à organização dos jogos, ela deverá enfrentar a forte represália do governo local, lutando não apenas por sua vida, mas por toda a população de Panem.” (fonte)
Comentários: Antes de qualquer coisa eu preciso dizer que “Em Chamas” é meu livro favorito da trilogia de Jogos Vorazes, então eu estava mais ansiosa com esse filme do que para qualquer outro em 2013 (incluindo a segunda parte de “O Hobbit” que vem aí!) e, sinceramente, sentia um medo indescritível de sair ruim… Eu até gosto do filme Jogos Vorazes se comparar ao livro, mas existem nele uns erros drásticos que não podiam ter sido cometidos e isso me deixava meio insegura. Maaaas dia 15 lá estávamos nós para a estreia do filme no Brasil, que aconteceu uma semana antes do resto do mundo. Cheguei empolgada e saí encantada! Apesar de alguns errinhos e faltar duas cenas importantes eu achei incrível!
O que me deixava mais insegura era o elenco, mas não precisei me preocupar com isso durante o filme porque foram todos incríveis. Eu não ia muito com a cara da Jena Malone por causa de “Orgulho e Preconceito” e paguei língua com força porque ela como Johanna estava FANTÁSTICA, roubou a cena e foi o ponto alto do filme! Gostei também de outros personagens como Finnick, Mags (choro, choro, choro, choro, choro, choro), Beetee… Sem contar os que já faziam parte do primeiro filme. O pessoal tá de parabéns. A única que me decepcionou foi a Annie em sua muito rápida aparição, espero que isso melhore quando “A esperança” chegar porque ela é minha personagem preferida.
As cenas que me fizeram falta em relação ao livro foram as garotas indo para o Distrito 13, porque sem ela não acho que deu pra entender a relevância do 13 pro final, e PRINCIPALMENTE o relógio do Plutarch e o “Começa à meia noite” dele, porque isso é importante pra Katniss entender a história do tic-tac. Fora isso só me incomodou o beijo “extra” da Katniss no insuportável do Gale e a falta do Peetaa falando que ela daria uma ótima mãe ou alguma referência qualquer ao bebê, porque dentro da arena ele nem foi mencionado. Eu só tirei meia estrelinha do filme por causa desses momentinhos que me fizeram falta mesmo, fora isso acho que os cortes foram necessários e tudo mais, senti falta como fã da série mas não acho que atrapalhou o filme. Espero que tenham essas cenas faltantes na versão estendida que vai sair em Blu-ray (e tem 3h30, é muita alegria pro meu pobre coração).
Agora o melhor momento… Difícil. Minhas cenas favoritas no livro são a dos tordos na arena quando Finnick ouve a Annie, e realmente ficou muito boa, e da hora que Finnick salva o Peeta e todos nós percebemos que a Katniss gosta é dele (menos ela, né!), e ficou linda demais também. Mas não tenho como escolhê-las porque o filme é da Johanna. Ela xingando a Capital na televisão e dando recadinho pro Snow dentro da arena, meu Deus, incrível!

Por fim, antes de terminar o post… PRECISO CONTAR sobre a gafe nível 5mil que eu e Gugui aprontamos no dia da estreia. A gafe na verdade foi minha, mas ele tava comigo então leva os créditos também… Todo mundo entrou e eu fiquei do lado de fora esperando ele porque o ingresso tava comigo. Quando ele chegou e fomos entrar na sala e eu “nos encaminhei” logo na primeira que vi o cartaz do filme. Só que não era a sala certa, já tava na metade do filme, nós fomos sentar e atrapalhamos todo mundo (e o povo reclamando com ironias tipo “nossa, chegaram cedo, hein”). Foi só depois que achamos um lugar pra sentar que eu percebi que não podia ser a sala certa porque nossos lugares nem ao menos existiam, aí saímos e fomos atrás da sala certa. Entramos e tava com a luz acesa, o povo batendo papo, nem tinha começado nada ainda… Hahaha, taí uma daquelas histórias que vão ser lembradas pra sempre e nós dois seremos zuados pra sempre por isso também, claro!

Continue Reading

Desafio Hunger Games

FINALMENTE O DIA DE HOJE CHEGOU, OBRIGADA, SENHOR!! Achei que novembro nunca ia chegar porque estou ansiosíssima para a estréia de “Em Chamas”, filme baseado no livro de mesmo nome e o segundo da trilogia de “Jogos Vorazes” – que no cinema será uma quadrilogia! Dos três esse é o meu livro favorito e já tô com o ingresso pra ver na estréia hoje, aí conto aqui o que achei.
Já fazem alguns meses que esse post está prontinho com esse desafio que eu roubei do blog da Lili, mas eu estava esperando a oportunidade ideal para postar e ela finalmente chegou… São questões rápidas sobre toda a série bem gostosas de responder, na minha opinião só faltou perguntar de qual Distrito você viria (que, no meu caso, é o Distrito 3). Espero que quem leu goste, se identifique com algumas respostas e responda também. E que quem não leu fique doidinho para ler porque não precisa nem de muito tempo pra isso: quando você começa não consegue mais parar e termina rapidão! Vamos lá…
Ah, só uma coisa: spoilers não serão sinalizados, então pra quem tá na metade da série (isso existe? alguém demora mais de uma semana para ler os três? alguém consegue essa proeza?): CUIDADO!

Seu personagem favorito (Your favorite character):
Annie e Peeta, não sei qual dos dois
Seu personagem menos querido (Your least favorite character):
“Presidenta” Coin
Um personagem que você odeia que todo mundo ama (A character you hate that everyone loves):
Prim
Um personagem que você ama que todo mundo odeia (A character you love that everyone hates):
Presidente Snow
Sua cena favorita de briga/batalha (Your favorite fight/battle scene):
Katniss tentando arrancar os olhos do Haymitch o final de “Em Chamas”.
Uma cena que te faz rir (A scene that made you laugh):
Peeta e Katniss citando o que Effie disse sobre carvão virar pérola.
Uma cena que te faz chorar (A scene that made you cry):
Mortes no geral, mas em especial a do Finnick.
Um personagem com quem você mais se parece (The character you are most like):
Delly Cartwright (perguntei pra minha irmã e ela nem pensou pra responder, já foi dizendo a Delly de cara!!)
Sua citação favorita (Your favorite quote):

“Necessito é do dente-de-leão na primavera. Do amarelo vívido que significa renascimento em vez de destruição. Da promessa de que a vida pode prosseguir, independentemente do quão insuportáveis foram as nossas perdas. Que ela pode voltar a ser boa.”

– A Esperança
Peeta ou Gale (Peeta or Gale):
Peeta, né?
Uma coisa que você odeia na série (Something you hate about the series):
A sensação que não sai mais de mim desde que terminei “A Esperança” de que a humanidade não presta. E a narração em primeira pessoa do presente.
Um personagem que você queria que não morresse (A character you wish hadn’t died):
Finnick, por causa do bebê principalmente e também porque né? Um cara bonzudo todo pronto pra ser cheio de si cujo único amor é uma mulher completamente louca é algo de se amar.
Um personagem que você queria que morresse (A character you wish had died):
Gale não me faria falta nenhuma.
Seu tributo favorito (sem contar Peeta/Katniss) [Your favorite tribute (aside from Peeta/Katniss)]:
Annie. Gosto bastante do Beetee também!
Seu tributo menos querido (sem contar Peeta/Katniss) [Your least favorite tribute (aside from Peeta/Katniss)]:
Enobaria
Uma questão que você queria que tivesse sido respondida nos livros (A question you wish had been answered in the book):
Como os rastreadores saem de dentro deles, ou se são desativados ou o que…
A pior morte (The worst death):
Mags, porque você se simpatiza de leve pela velhinha, normal, mas aí quando ela morre percebe que ama aquela diaba! E Finnick por motivos de… De Finnick mesmo!
Uma música que te lembra a série (A song that reminds you of the series):
Alicia Keys – “Girl on Fire”
Seu casal favorito (Your favorite pairing):
Finnick e Annie.
Seu casal menos querido (Your least favorite pairing):
Katniss e Gale.
Um casal que você não entende (A pairing you don’t get):
Os pais do Peeta.
Seu livro favorito dos três (Your favorite book of the three):
Em Chamas, amo aquela arena.
Seu personagem secundário favorito (Your favorite secondary character):
O que é considerado “secondary”? Se for qualquer pessoa que não Katniss/Peeta/Gale então Annie. Se for realmente aquele personagem sem real relevância então Delly.
O personagem secundário que você menos gosta (Your least favorite secondary character):
Plutarch Heavensbee
Seu intérprete dos sonhos (Your dream cast):
Agora já não tem muito o que fazer porque as pessoas já foram sendo escolhidas, então ao invés de mudar o elenco eu vou trocar Joanna por Enobaria, não é ideal mas já me contento com isso.
Sua cena favorita em Jogos Vorazes (Your favorite scene in The Hunger Games):
O beijo da Katniss e do Peeta. O de verdade, que ela não quer que acabe.
Sua cena favorita em Em Chamas (Your favorite scene in Catching Fire):
Finnick chamando pela Annie ao ouvir a voz dela vinda dos pássaros.
Sua cena favorita em A Esperança (Your favorite scene in Mockingjay):
Katniss pedindo pro Peeta ficar com ela na frente do imbecil sensacionalista Gale (aka “Always”).
Sua coisa favorita na série inteira (Your favorite thing about the entire series):
A maneira como você não consegue parar de ler aquilo!!
Um livro/série que você recomenda para os fãs (A book/series that you would rec to fellow fans):
A trilogia “Divergente”. Li os dois primeiros e estou louca para o terceiro sair logo, é ÓTIMA!

Mockingjay
Blusa Hunger Games da Cia do Ponto via Instagram

Continue Reading