O resgate de memória

O resgate de memória: foto de Luly Lage aos 17 anos, de costas, de forma onde só é possível ver os cabelos loiros e cacheados e um pedaço da blusa clara. Ela está apoiada na mão direita olhando para a tela do computador, que exibe em primeiro plano o blog Sweet Luly com o visual que tinha na época.

No final de fevereiro o Facebook me lembrou que fazia 13 anos desde meu primeiro dia de aula na UFMG, minha reação imediata foi correr nos arquivos aqui do blog, que já existia desde muito antes disso, e ler o post que fiz na época, contando como foi. Minha memória é muito boa, consigo lembrar de tudo com detalhes, mas faço isso com o olhar que tenho hoje das coisas, sabe? Não era isso que eu queria! Queria saber o que aquela outra pessoa que eu era estava pensando, sentindo, vivendo! Queria aquele ponto de vista porque, no fim das contas, é ele que importa e que vai me dar uma visão real do que aconteceu. Então lá fui eu, mergulhar em mim mesma, com os erros de digitação, plakinha comemorativa feita exatamente pra esse momento e a ilusão de que o auge da maturidade tinha chegado.

Esse resgate da memória é a melhor parte de ter o blog ao meu lado por quase 17 anos. Tento ser modesta e fingir que não, mas tenho um orgulho danado de estar aqui há tanto tempo no mesmo “lugar”. Quando vejo alguém comemorando o aniversário do próprio blog fico me segurando pra não soltar “O MEU FAZ 17 EM JUNHO, ACREDITA?” porque, cá entre nós, é um saco celebrar algo e outra pessoa vir contando vantagem em cima disso… Tento evitar e às vezes até consigo, mas internamente feliz em também persistir num amor que faz parte da minha história, mas mais do que isso feliz em ter essa história contada por mim mesma, pra ler e ser lida por quem quiser. Se dependesse de mim estaria no mesmo blog desde a criação do primeiro, alguns meses antes, só pra esse arquivo ser ainda mais vasto…

Mas aí eu me pergunto: será que tô deixando a possibilidade do meu eu futuro ter essa mesma experiência em relação a quem sou no presente? Porque é claro que, com o tempo, as coisas por aqui foram mudando, deixou de ser só sobre mim e passou a ser sobre as coisas que estão ao meu redor. Tenho alguns textos autorais sobre sentimentos vividos (a série Inclusive, Saudades, por exemplo, é feita de um turbilhão deles) mas ainda assim… Não é a mesma coisa. Quero realmente registro real, pessoal, do sério e do bobo, do íntimo e do público. E tô perdendo, porque nem nas minhas redes sociais isso acontece mais, com minha preguiça de fazer vlogs semanais (preciso voltar!), introdução de conteúdo ao Instagram e dominação de indignação política na linha do tempo do Twitter.

De verdade, não acho que nenhuma dessas coisas seja ruim, e todas elas compõe a minha vida, sim. AMO produzir conteúdo e queria, de verdade, poder me dedicar exclusivamente a isso quando o assunto é meios de pagar as contas. Hoje entendo que meu maior sonho sempre foi, sempre vai ser, trabalhar com o que crio na internet, não vou parar de fazer em nenhum lugar, nem mesmo aqui. Ainda mais agora, que cheguei no ponto de entender qual conteúdo realmente me faz bem e tem qualidade de verdade pra quem consome… Mas por que não intercalar isso com o pessoal? Contar como foi publicar meu primeiro livro, escrever minha monografia de pós graduação, viver numa fucking PANDEMIA MUNDIAL, coisas que marcaram os últimos anos e que estou deixando passar sem motivo algum, porque vontade de escrever sobre, cara, eu tenho e de sobra. Só falta por em prática.

Então, em meio a essa Nova Era de me fazer feliz com os conteúdo que crio, vou me permitir mesclar com a Velha Era paralela através do resgate da minha possibilidade de resgatar a memória de hoje no futuro. Não sei quando, onde ou como, e talvez esse post já seja tudo isso, mas sei que VOU. Enquanto, sempre, fizer sentido pra mim, seguirei assim, mantendo esse blog como o que sempre foi, um blog pessoal, mas agora (também) sobre todas as artes que meu cérebro processa em forma de posts enquanto consumo, um vício adquirido em todo esse tempo do qual não quero me reabilitar.

O resgate de memória: foto de Luly Lage aos 17 anos, de costas, de forma onde só é possível ver os cabelos loiros e cacheados e um pedaço da blusa clara. Ela está apoiada na mão direita olhando para a tela do computador, que exibe em primeiro plano o blog Sweet Luly com o visual que tinha na época.
Resgatando, inclusive, a memória fotográfica: essa sou eu, no início de 2008 logo depois de começar a faculdade, aos 17 anos, navegando nesse mesmo blog que em breve completa a mesma idade. Sabe como é, né? Mudaram as estações…
Continue Reading

Blog velho, em domínio novo!

Foto tendo como objeto de destaque um celular aberto na página inicial do blog Sweet Luly, com endereço lulylage.com. O celular encontra-se sobre um bolo de cobertura cor-de-rosa e todo o fundo da foto contém itens dessa cor espalhados, como pipocas caramelizadas, doces, itens de papelaria e um fone de ouvido.

Esse ano, dia 26 de junho, meu blog completou 16 anos no ar, e durante todo esse tempo foi um subdomínio: primeiro das velhas hospedagens gratuitas Weblogger e Blogger Brasil, depois por mais de uma década do meu querido site (agora loja!) Expresso Rosa, quando passei a usar o WordPress como plataforma de postagem. Esse ciclo se encerrou há uma semana, quando ele migrou completamente para seu próprio domínio, o LULYLAGE.COM!

Foto tendo como objeto de destaque um celular aberto na página inicial do blog Sweet Luly, com endereço lulylage.com. O celular encontra-se sobre um bolo de cobertura cor-de-rosa e todo o fundo da foto contém itens dessa cor espalhados, como pipocas caramelizadas, doces, itens de papelaria e um fone de ouvido.
Doces da foto por O Doce Nick

Isso vem sendo um desejo meu há muitos anos, mas também é uma daquelas ocasiões em que a espera fez a coisa acontecer no tempo certo, sabe? Até 2018, por aí, o plano era que o endereço fosse sweetluly (ponto) com, mas ano passado fiz a mudança de (quase) todas as minhas sociais para meu nome, @lulylage mesmo, no momento ideal porque logo depois publiquei meu primeiro livro e precisei que minha identidade fosse firmada dessa forma pra atender a todas as versões de mim mesma. Agora esse “novo” site acompanhou o raciocínio certinho. Não sei se vou deixar de chama-lo de Sweet Luly em algum momento, sou deveras apegada a esse nome que me define há tanto tempo, apesar de acha-lo bastante infantil pro que faço hoje, o que faz sentido tendo agora mais que o dobro da idade da época que ele começou. Bom, independente de títulos, me pareceu pertinente que o endereço viesse nessa evolução. Ainda bem que demorei!

Não posso deixar de mencionar que tudo foi possível graças ao incrível PreLude Hosting, hospedagem do Expresso Rosa desde 2007, que é registrado por eles nos últimos anos (usei um outro antes, mas melhor nem mencionar) e obviamente o blog agora também. É um serviço tão apaixonado por blogs quanto eu, que sei que vai trata-lo como o que ele é de verdade, e isso faz toda diferença do mundo pra mim. Foram eles, inclusive, que migraram todo o conteúdo, eu tava com muito medo de fazer sozinha e dar ruim, tornando assim possível que TODAS as páginas internas do antigo subdomínio fossem redirecionadas pras novas. Qualquer link do Sweet Luly que está espalhado na internet vem pra cá automaticamente, é muito mágico. E, pô, 16 anos, né, haja arquivo pra migrar! Obrigada, PreLude, por ser o serviço do qual nunca tive uma reclamação sequer, o mais longo relacionamento profissional que já tive, e que mantenho com extrema confiança.

(Imagina, gente, esse povo trabalhando em pleno SETE DE SETEMBRO pra fazer a novidade acontecer, respondendo a todos os meus surtos na maior paciência, é o tipo de atendimento que não se acha em qualquer lugar…)

Eu to MUITO feliz com essa novidade, mesmo que ela tenha acontecido num momento onde não tô podendo me dedicar tanto graças ao final da minha pós-graduação e outros projetos que precisam da minha atenção por agora. Passei o feriado todo me dedicando a mudar bastante o visual por aqui, de forma temporária e não tão a minha cara, porque sou 0% minimalista, mas ainda assim com resultado lindinho que me deixou apaixonada. Não dava pra migrar com a cara antiga! Eu queria que as pessoas REALMENTE percebessem que tinha algo diferente quando entrassem, já que o link provavelmente vai passar batido, de tão rapidinho que muda. Usei a versão gratuita do tema Olsen, que é tão bonita que deu vontade de juntar uma graninha e garantir a paga, que suporta o WooCommerce, pra colocar na loja também. Quem sabe um dia? Ainda vou fazer uns ajustes, talvez adicionar uns toques do design antigo ao topo, mas já tá bem bonitinho, gostei!

Por fim, porque não pode faltar o merchan, os docinhos dessa explosão cor-de-rosa em forma de foto comemorativa são todos do querido migo O Doce Nick. Sempre gosto de ressaltar que tudo que o Nick faz é delicioso demais e tenho muito orgulho do que o negócio dele tá se tornando. Eu precisava dessa (over)dose de “sweets” pra celebrar mais um passinho dado pelo meu blog amado, que segue sendo meu lugar favorito no mundo!

Continue Reading

15 anos de Sweet Luly + Sorteio

15 anos de Sweet Luly!

Hoje passei o dia todo lembrando do meu aniversário de 15 anos. De como fizemos uma festinha no prédio do meu tio, da minha avó saindo lá de Timóteo só pra comemorar comigo, da toalha bordada que ela fez pra me dar na data. Lembrei das flores cor-de-rosa em cima da mesa, do tio Márcio me dando o domínio do meu site de presente pra me apoiar tão incrivelmente como ainda apoia hoje, da vela comemorativa que soprei após os Parabéns e, chegando em casa, guardei. Guardei por muito e muito tempo até que ano passado a encontrei quebrada no fundo do guarda roupas. Normalmente isso não me afetaria tanto assim, afinal é só uma vela, mas o contexto da coisa me deixou bem triste… Afinal hoje o Sweet Luly, meu blog tão amado, está completando 15 anos no ar, criado antes mesmo da festa supracitada, e eu já tinha decidido há um tempo usar minha própria vela antiga pra celebrar o aniversário dele também. Bom, infelizmente não deu, mas a data permanece extremamente comemorativa ainda assim!

15 anos de Sweet Luly!

Quando eu cheguei na blogosfera (ainda usamos essa expressão?) “isso aqui era tudo mato”. A gente tava começando a “capinar” essa metrópole gigantesca que ela se tornou hoje. E, oh, eu capinei DEMAIS! Entre a criação do meu primeiro até esse, gente, foram muitos cliques em “Criar novo blog” feitos por mim… Eu amava blogs tão profundamente que ter percebido isso lendo meus posts antigos me fez amar ainda mais hoje. As coisas mudaram, os tempos também, eles foram de casebres a verdadeiros arranha céus da internet. E aí que eu sei que um monte de gente sente saudades do que era antes, acha que a coisa se perdeu e que não é mais tão legal, mas cês sabem, eu discordo muito disso. Tempos mudam e os modos de produzir as coisas também. E ainda bem! A evolução é sempre bem vinda, o que não dá pra gente regredir, né? Sei lá, o “regredir” tenho visto tanto, no mundo todo e em diversos aspectos, que cada vez mais só consigo celebrar o “seguir em frente”.

Em 15 anos eu virei uma pessoa completamente diferente e o Sweet Luly um blog completamente diferente, ainda com nossas essências gostosas intrínsecas que não precisam nunca mudar, mas sempre nos modificando aqui e ali. E por mais que não consiga ler futuros ou nada do tipo hoje eu acredito, MESMO, que isso aqui vai ser algo pra sempre meu. Que virão mais 15 anos, renovando e envelhecendo, mas fazendo do meu jeito e acima de tudo fazendo bem. Quero continuar escrevendo nesse lugar favorito no mundo na alegria e na tristeza, na riqueza e na pobreza, na saúde e na doença, no cinza e no rosa… Ao infinito e além!

15 anos de Sweet Luly!

E agora… Sim, é hora do nosso sorteio de aniversário!

Que como sempre tem Harry Potter no meio, já que hoje é aniversário TAMBÉM da primeira publicação de “A Pedra Filosofal”, em 1997, e que grande parte do público do blog e meus amigos gostam… Pra esse ano separei itens bem fofinhos, sem muitos clichês visuais, e com um toque de rosa em quase tudo porque é nossa cor. O caderno escolhido foi com a temática Sapo de Chocolate e as coisas em volta são uma mistura disso com outros itens que ganhei das queridas da HomeMade e do meu amado Potter Club BH, do qual sou vice presidente. Assim como ano passado o sorteios tá rolando numa foto que nem essa aí em cima no Instagram do Expresso Rosa, meu site/loja.

Sorteio de 15 anos do Sweet Luly:
– 1 caderno tamanho A6 “Sapos de Chocolate”;
– 1 copo “Expresso Patronum do Potter Club BH;
– 1 colar “Amortentia” da HomeMade;
– 1 chinelo “Sapos de Chocolate” do tamanho escolhido por quem ganhar – a confeccionar;
– Figurinhas de Sapos de Chocolate PERSONALIZADAS com suas fotos;
– Kit de marcadores de Harry Potter.

O chinelo não está na foto pelo motivo – óbvio – de que não está pronto, né gente! Criei uma estampa que combina com a do caderno e vou mandar fazer do tamanho certinho da pessoa que ganhar, ou seja lá qual for o tamanho que ela desejar! Os marcadores ficaram de fora também, primeiro por motivos estéticos e segundo porque são os de sempre, quase todos os anos… Ainda assim dá pra ver tudo isso lá nos Stories em destaque do Expresso Rosa. Os comentários são válidos de hoje até 17 de julho, que é quando o ER completa seus 15 aninhos também. Dá muito tempo pra participar e pra chamar o pessoal, né? Já as regras estão todas especificadinhas no post da foto, é só busca-la e seguir direitinho!

Feliz aniversário, bloguinho! Parabéns pro meu Sweet Luly – e, consequentemente, pra mim também, né!

Psiu! Prest’enção! Além desse sorteio lindão também temos um cupom de desconto pra ficar ativo nesse período lá na loja Expresso Rosa. Digitando SWEET15 você ganha 15% off no valor do produto, pra se jogar nos caderninhos – e ajudar uma blogueira desempregada!

Continue Reading

Sobre crescer nas redes sociais…

Sobre crescer nas redes sociais…

Eu não sei dizer ao certo qual foi a primeira das minhas redes sociais, mas imagino que tenha sido o extinto Orkut. Ou então vai do que cada um considera uma rede social, porque dependendo de como você usava, até o Fotolog podia ser denominado assim. Digo isso porque por anos a minha “rede” principal foi o Flickr, que na verdade é um site de armazenamento de fotos, veja bem. Mas é isto, a internet vai evoluindo, a forma de comunicar mudando e quando você menos espera nem percebeu que desativaram aquela que deixou pra trás. E o pedacinho da nossa essência deixado em cada uma delas vai junto…

Sobre crescer nas redes sociais

Veja bem, eu cresci nas redes sociais, e nesse blog, também. Quando comecei a usar o nome “Sweet Luly” era uma (pré) adolescente que sabia muito pouco da vida, e menos ainda do que estava por vir. Jamais iria imaginar que estaria aqui, beirando os 30 e ainda escrevendo sob esse username, que teria me apegado carinhosamente a ele mesmo que não me defina tanto assim. Se parar pra pensar, é até um pouco infantil, né? “Sweet Luly”. Meu nome-apelido já passa esse ar meio teen, acho que pelo “y” no final (não sei!), mas o “título” que vem antes dele, ixi, mais ainda. Eu não sou mais tão “sweet”, e nem devia. Depois que cresce, a menos que tudo dê muito certo demais (e não dá pra quase ninguém), a gente acaba carregando tanto peso que ser 100% meiguice beira o ser bobo. E eu não sou boba, não. Aliás, tento diariamente ser tudo, menos isso. Mas, ainda assim, pô, tem quase 15 anos de vida esse blog (!!!), não consigo apagar essa parte tão indispensável de mim. Quando nasci, Marte estava em Áries, mas o Sol continua sendo em Câncer, então o sentimentalismo é o centro de qualquer área bélica que existe dentro de mim.

Mas aí, ainda assim, entrei em crise com o “@sweetluly” das redes já tem algum tempo. Meu primeiro usuário no Instagram foi esse, em 2012, mas menos de um ano depois ele sumiu da face da Terra e o aplicativo não me deixou usá-lo mais. Eu então criei a segunda (e atual) conta, @sweetluly90, colocando o ano do meu nascimento no final pra ficar diferente, já que eles assim queriam. Como eu ODIAVA esse user! Quando alguém me perguntava “Qual seu Instagram?” eu dizia “Ah, deixa que eu digito pra você, é meio complicado…” só pra não ter que falar em voz alta. Com o passar do tempo foi liberado o uso de @s que haviam sido deletados e eu, desavisada, só descobri quando alguém, num país qualquer por aí muito distante, já tinha pegado o “meu nome” pra uso próprio. Isso só serviu pra me fazer antipatizar com o novo mais ainda, como se ele fosse o grande culpado de não haver uniformidade nos links das minhas redes sociais. Mas é porque, sejamos justos comigo, era mesmo.

A situação era pior ainda porque eu levo essa coisa de redes sociais bem a sério. Pô, eu produzo conteúdo, né? Há tanto tempo que nem sei mais como é viver sem isso… Se tô no cinema, por exemplo, mesmo filme que não é de parceria e posso me dar ao luxo de não resenhar, minha cabeça escreve um post automaticamente à medida que o enredo vai se desenvolvendo. Esses anos, agora já mais do que o dobro dos que tenho de vida, me tornaram alguém programada pra ser blogueira em tempo integral. E por mais que eu não acredite nessa de que “blogs estão ultrapassados” – afinal leio e escuto isso desde que comecei – não tem como fazer o que faço, e o que muitos de vocês que estão lendo isso agora fazem também, sem esse complemento da vida contemporânea. Ou talvez até tenha, mas a coisa acaba ficando menos viável, e quanto maior a viabilidade nessa rotina de muito esforço, melhor. Fora essa personalidade naturalmente nostálgica que tenho, de querer sempre guardar minha própria história. É, eu gosto de mantê-las do jeito que considero ideal, sim. E faz anos que não consigo, por causa de um 90tinha de nada.

Toda essa safa vem martelando na minha cabeça há tempos. O blog pode e deve continuar sendo “Sweet Luly”, mas eu como pessoa não quero mais. Às vezes sou “sweet” e todo dia Luly, mas não podia continuar me definindo com essa palavra e só. Então simplifiquei, resumi a mim mesma trocando o @ das minhas principais redes sociais do momento (Twitter, Instagram e Pinterest), sem criar novos perfis, e pesquisando devagar como fazer o mesmo com as outras que restaram. Algumas, infelizmente, vão ter que ficar como estão. Até deixei contas mais ou menos inativas com os antigos no ar, pra garantir que quem cair lá desavisado vá saber pra onde seguir. E entre todos os nomes que poderia ter escolhido, por que não aquele que resume exatamente o que elas retratam? Por que não @lulylage? Por que não eu?

É uma coisa boba pra quem tá de fora, mas até meio representativa aqui dentro. Já passei por vários momentos de amadurecimento relevantes ao longo da minha vida, mas o atual é provavelmente o mais significativo de todos. E minha vida online, que acaba sendo a mesmíssima coisa da vida offline, tá vivendo os reflexos disso, também. De toda essa fluidez louca que, não importa o quão grande seja, ainda preserva aquela boa e velha essência de ser. Como um cacto em constante metamorfose, cada dia desenvolvendo novos galhos e mudas, mas com raízes, firmes e fixas, não o deixando esquecer sua base, mas jamais se limitando a ela. Cresci, e elas cresceram junto comigo!

Continue Reading

Então é natal… E o que o blog fez?

Então é natal...

Eis que mais uma vez começa John Lennon a perguntar “Então é Natal… E o que você fez?”¹ para todos os lados e, é, eu não sei muito bem se sei responder a essa pergunta esse ano. A primeira coisa que vem à cabeça, aquela automática que a Luly Negativa insiste em acreditar, é “Nada!”, mas FELIZMENTE a Luly Positiva vem logo desmentir isso. (Essa é a especialidade dela, são inimigas mortais.) Porque na minha vida “aqui fora” eu passei muito tempo sem progredir ou regredir, mas também sem parar um segundo! Digamos que foi uma dança do caranguejo, de um lado pro outro, onde muita coisa deu errado (e põe “muita” nisso), mas tantas outras deram certo… Decidi um novo rumo a ser tomado na minha vida, organizei o evento que era meu sonho (foi maravilhoso!), comecei aprender a ficar calada quando é melhor e a falar sem pudores quando necessário, e pretendo melhorar nisso.

Mas aqui no blog esse foi, definitivamente, o melhor de todos os anos!

Então é natal...

O Sweet Luly completou 14 anos no ar em junho, e fez jus ao fato de que esse é meu número favorito! Junto com minha lojinha, eu consegui fazer dele uma fonte de renda que não só se mantém no ar (que sempre foi meu objetivo), mas também começou a me trazer alguns bons lucros. Recebi coisas incríveis de marcas incríveis, conheci outros blogs e, consequentemente seus respectivos blogueiros, que entraram pra ficar na lista de queridinhos, finalmente coloquei meu Midia Kit no ar. No canal do Youtube só tive 4 meses de constância, mas minha edição melhorou muito e consegui não só definir novos rumos que quero dar pra ele em 2019, como também tive alguns que foram ao ar nesse tema e me encheram muito de orgulho. E, provavelmente minha parte favorita, através de ações de divulgação e pré estreia de filmes para as quais fui convidada (e outras idas ao cinema pagas com meus amados Dotz), escrevi posts sobre filme que chegaram no meu ideal de qualidade! Esse assunto se tornou muito frequente aqui e meus olhos se enchem de amor quando, nos comentários, aparece alguém dizendo que gostou, que tá excelente, que mal pode esperar pela próxima ou pelo minha opinião em outro filme específico. Isso fez com que eu me apaixonasse tanto por resenhar a sétima arte que pretendo aumentar ainda mais esse fluxo daqui pra frente.

Quem diria, a menina que uns anos atrás postava um único parágrafo sobre o filme que viu, tecendo apenas comentários vazios… Crescimento é tudo, né?

E já que na sétima tá indo tudo de vento em polpa, é hora de investir nas outras artes, não é mesmo? Minha meta de vida de estudar (e, se tudo der certo, ENSINAR) História da Arte fez reacender em mim o amor por arte plásticas que sempre tive, tanto que me fez ter essa área como a única na qual me vejo realmente trabalhando, seja restaurando ou o que mais vier. Eu quero, quero muito, produzir bons textos sobre arte pra cá, apresentando artistas, estilos, técnicas, exposições e tudo mais o que eu puder. Já comecei, beeem devagarzinho, a fazer isso nos Stories do meu Instagram, e receptividade foi enorme (yey!), então espero que aqui, no meu lugar favorito no mundo, seja assim também. Alguns outros, maiores, estou guardando pra transformar em publicações acadêmicas, mas nem só de textos sérios a gente vive, e na minha vida, confesso, quanto mais informal, mais “conversinha” for, melhor. Ah, como a Luly de 10 anos atrás ficaria orgulhosa se visse isso acontecer, porque já era uma vontade, só faltou a maturidade pra fazer acontecer. De certa forma, ainda bem!

(Mas fica só como meta pós-virada mesmo, depois do Natal, porque estamos em pleno BLOGMAS, pela segunda vez e como sempre atrasada, hahahaha!)

Esse texto é resultado do Desafio Surpresa United Blogs, onde formos perguntadas qual eram as três principais metas para o blog em 2019. Após responder, fomos desafiadas a fazer um post falando sobre uma ou mais delas, e minha terceira foi “Escrever posts bons sobre arte”!

¹ John Lennon & Yoko Ono. Happy Xmas (War Is Over). Nova York: Apple Records, 1971. Single.

Continue Reading
1 2 3 10