5 covers femininos de “Wish You Were Here”, do Pink Floyd

5 covers femininos de Wish You Were Here, do Pink Floyd: mosaico com fotos das artistas Miley Cyrus, Ana Torroja, Elana Dara, Allane Carvalho e Benedetta Caretta

Wish You Were Here, do Pink Floyd, está no meu top 5 de músicas favoritas, tanto que a usei de título do meu primeiro livro, “Wish You Were Here: um romance musical”. Ao longo dos 10 anos que se passaram entre ter a ideia pra história até enfim publica-la, em julho de 2019, e até mesmo depois disso, eu acumulei uma verdadeira coleção de versões dessa música, em todos os tipos de vozes e estilos imagináveis, desde figurões de nome tão “grande” quanto seus compositores originais até descobertas que sites e aplicativos de música vão me sugerindo aqui e ali enquanto os exploro. Por isso resolvi trazer 5 deles pra cá, todos cantados por mulheres, pra compartilhar um pouquinho desse deleite com vocês que também gostam – ou não – dela tanto quanto eu…

… mas antes…

O álbum “Wish You Were here” foi lançado pelo Pink Floyd em 1975, gravado nos estúdios Abbey Road. Ele tem apenas 4 músicas, entre elas a que dá seu título, sendo “Shine On You Crazy Diamond” dividida em partes entre Lado A e B, totalizando 5 faixas. O álbum, que contou com o vocal convidado de Roy Harper, é um tributo da banda ao ex companheiro e um dos fundadores do grupo Syd Barrett, que sofreu um colapso mental possivelmente causado pelo uso de drogas, deixando-os em 1968 e abandonando definitivamente sua carreira musical quatro anos depois. As letras falam, cada uma a seu modo, sobre sua ausência, os impactos da indústria na qual estavam inseridos e, claro, a perda do “brilho solar” de “diamante louco” que tinha antes. Existem ouras composições da banda em tributo a Barrett, que faleceu em 2006 aos 60 anos.

5 covers femininos de Wish You Were Here, do Pink Floyd: mosaico com fotos das artistas Miley Cyrus, Ana Torroja, Elana Dara, Allane Carvalho e Benedetta Caretta

Leia também: Top 5: Músicas chamadas “Wish You Were Here”

01) Miley Cyrus

Em abril do ano passado a Miley cantou sua própria versão desse clássico no Saturday Night Live At Home, versão adaptada do SNL durante a pandemia. O visual ficou lindíssimo, com chamas vermelhas em volta, e fez justiça absurda à voz INCRÍVEL que ela tem. Acho que é o cover de Wish You Were Here mais maravilhoso que já ouvi – e olha que eu realmente tenho várias aqui nos favoritos! Palavras pra expressar a lindeza até faltam, precisa realmente ser ouvida.

02) Ana Torroja

A ex-vocalista do Mecano e técnica do The Voice Chile gravou essa música pro seu álbum solo “Frágil”, de 2003. Agora com 40 anos de carreira (e mais de 60 de idade) não tem como nem a gente negar que a voz da mulher é maravilhosa, né? Confesso que não conheço esse cover específico há tanto tempo, mas no dia que ouvi a primeira vez vez, pronto, me apaixonei de cara, impecável.

03) Elana Dara

A curitibana Elana Dara gravou essa versão no começo do canal dela, não só cantando mas também tocando violão. De acordo com a descrição do vídeo, é uma das músicas favoritas do pai e, por isso, decidiu gravar. Hoje, mais de dois anos depois, ela já bateu os 500 mil inscritos por lá (e quase isso no Instagram), além de ter suas músicas e colaborações disponíveis em várias plataformas de streaming.

04) Allane Carvalho

Mais uma brasileira no violão, mas com uma voz completamente diferente pra gente variar bastante as coisas! A Allane já está ativa a mais tempo como cantora, é do Mato Grosso e também tem vídeos de seus trabalhos num canal do YouTube. Ela trabalha cantando em bares, restaurantes e afins e preciso dizer: a transição do tom de voz da letra pro “nananã” que ela faz é muito, muito maravilhosa…

05) Benedetta Caretta

Fechando com chave de ouro porque sou IMPACTADA por essa voz ESTUPENDA, fiz questão de ouvir vários outros covers depois desse… A Benedetta é italiana e conhece bem o poder da própria voz, porque tem versões de artistas ousadíssimos, como Queen, Whitney Houston, Lady Gaga e Adele. Um spoiler: são todas impecáveis. Eu tive que me inscrever no canal dela porque não quero perder mais nada… Quem estiver aí, com um tempinho a mais, faça um favor a si e escute a versão dela da primeira parte de Bohemian Rhapsody, sério mesmo, e de How Deep Is Your Love, do Bee Gees, onde ela faz AS TRÊS VOZEEEES!!!

Agora, antes de sair daqui, me conta… Qual das cinco foi a sua favorita? Apesar de ter minha bandeirinha eternamente sacudindo em prol da Miley não posso negar que é páreo duríssimo!

Continue Reading

Top 5: Músicas chamadas “Wish You Were Here”

Top 5: músicas intituladas Wish You Were Here

Depois de dez anos desde que comecei a escrevê-lo meu primeiro livro, Wish You Were Here: Um Romance Musical, está sendo enfim publicado! Muita coisa já aconteceu, tentei isso de outras formas e, agora, decidi colocar fim nessa espera, fazendo essa publicação por conta própria (haja trabalho!) em dois momentos… Primeiramente um e-book que já está em pré-venda na Amazon por R$5,00 e será lançado oficialmente dia 31 de julho, daqui uma semana. Dá pra ler nos dispositivos Kindle e no app também, tanto pra celular quanto pro computador. Se você aí gosta de um bom romance YA com pitadas de drama (e trilhas sonoras maravilhosas) é só comprar o seu.

Em segundo lugar, mas igualmente importante, tá rolando um financiamento coletivo no Catarse para imprimir algumas cópias físicas. Já imaginou, gente? Eu vou poder tocar no meu próprio livro! A ideia não é imprimir um montão, não, e sim o pessoal comprar através desse site, me ajudando quando possível a juntar mais dinheiro pra pedir mais livros pra quem não conseguir comprar agora. É garantia que vou ter exemplares depois? Não! Mas tem a esperança ainda assim. Além disso tem algumas recompensas a mais se quiser e puder gastar uma graninha extra… O valor unitário é R$28,00, com opção já com frete embutido a 35 pro pessoal que não for de BH (nas outras recompensas, porém, o frete terá que ser pago à parte). A campanha fica no ar até dia 26 de agosto e quem quiser já pode garantir um, também!

Top 5: músicas intituladas Wish You Were Here

Ok, ok, agora jabás à parte, vamos ao que realmente interessa, né? Acho que já deu pra perceber pelo subtítulo, mas esse livro é todo pautado por uma trilha sonora composta só de músicas que eu AMO, sendo a principal delas uma das minhas 5 favoritas da vida: Wish You Were Here, do Pink Floyd! A playlist completa tá lá no Spotify, mas hoje vamos sair dela um pouco… Nessa última década, com esse título sendo tão importante pra mim, eu acabei “colecionando” outras canções de mesmo nome, várias, e hoje trago as 5 que considero melhores entre elas, pra todo mundo ouvir e amar muito também.

01) David Gilmour

Sim, David Gilmour, Pink Floyd, mesma coisa, né… Nesse caso é mesmo, só que a principal delas não podia faltar na lista, uai! Mas aí, pra não usar a versão original que já foi mencionada acima, escolhi uma do David em carreira solo num show que amo, já que ele é o autor dessa queridinha maravilhosa. Ela é música título de um álbum que foi todo dedicado ao Syd Barrett, um dos membros fundadores da banda que sofreu um colapso mental e precisou ser afastado das atividades… A história toda é bem triste e sabendo disso dá pra sentir como foi impactante pra eles ao ouvir todas elas. Ainda assim, convenhamos, é perfeita do início ao fim. (E, sim, eu sou team David, tanto que o protagonista do livro tem o nome dele.)

02) Avril Lavigne

Eu conheci essa música na época do lançamento no antigo blog da querida Paulo Buzzo e quando vi o título pensei “Uau, Avril cantando Pink Floyd!” de cara. Procurei, ouvi, percebi que me enganei e… Fiquei apaixonada! Definitivamente minha favorita dela, sem possibilidades de perder o posto. E o que mais gosto é que pode funcionar tanto como uma música romântica quanto pra outros tipos de relacionamento, sabe?

03) Bee Gees

É claro que esse três irmãos, reis das baladas românticas, têm uma na lista também, né? Vê se uma expressão icônica dessa ia deixar de constar no repertório deles? A letra é bem triste, como é de se esperar, mas a melodia é tão a cara do trio que quem gosta deles não pode deixar de ouvir. Infelizmente não tinha nenhum vídeo dela no canal oficial, então tive que pegar esse em um outro. Espero que não saia do ar.

04) Fleetwood Mac

Outra de ritmo leve, daquelas ideais pra dançar juntinho com o crush pra matar saudades. Acho que deve estar longe de ser um sucesso da banda, parece ser uma daquelas que a gente só conhece por acidente (é o meu caso), mas apesar de soar meio tristinha a letra é bem bonita e gostosa.

05) Florence + the Machine

E pra fechar, dei uma roubadinha… O nome dessa é, na verdade, “Wish That You Were Here”. Mas vocês vão me desculpar, é claro, por motivos de FLORENCE, né meninas! Ela faz parte da trilha sonora do filme “O Lar das Crianças Peculiares”, que não é lá a melhor adaptação de todos os tempos, mas merece seu lugarzinho ao Sol por essa pérola presente nos créditos finais. Olha a voz dessa mulher, gente, eu não sei lidar…

E aí, você já conhecia e/ou gosta de alguma delas? Qual sua favorita? Tem outra “Wish You Were Here” pra me indicar? Me conta aí nos comentários e se preparem porque esse é só o primeiro de uma série de posts que quero fazer pra celebrar o lançamento literário mais importante da minha vida… Até a data de hoje foi escolhida à dedo pois amanhã é 25 de julho, o Dia Nacional do Escritor, e é a primeira vez que posso, oficialmente, considerar meu dia também.

Continue Reading

LISTENING TO: Pink Floyd

Listening to: Pink Floyd

Eu adoro imaginar é como era a Inglaterra nas décadas de 60 e 70: VÁRIAS bandas incríveis nascendo a todo o momento, o país era provavelmente constituído somente de música, devia ser quase ilegal não gostar do assunto. Digo isso porque estou prestes a falar de uma das melhores de todos os tempos, mesmos aqueles que não gostam de rock já ouviram falar e conhecem alguma música. Uma banda da qual sempre gostei. Minha irmã, aos com 3 anos, ficava do lado do meu pai pra ouvir. Pink Floyd.

Listening to: Pink Floyd
Foto do BBC Music

A história é bem longa e difícil de contar (ainda mais pra uma leiga como eu), mas vou tentar dar uma ideia geral do que aconteceu. Em 1964 havia uma banda que teve vários nomes, e quando essa banda se separou naquele ano os integrantes Rado Klose (guitarra), Roger Waters (guitarra), Nick Mason (bateria) e Rick Wright (sopro) resolveram montar uma nova aproveitando um dos antigos nomes: “Tea Set”. Junto com eles estava o vocalista Chris Dennis, e logo depois o guitarrista e vocalista Syd Barrett, fazendo Waters assumir o baixo. Foi aí que surgiu o nome que hoje conhecemos, em homenagem ao músicos de blues Pink Anderson e Floyd Council.

No início eles faziam pequenas apresentações em pequenos lugares e até foram convidados para produzir músicas para um documentário, que sequer apareceram na versão final do filme. O primeiro álbum oficial saiu em 1967 e foi super bem aceito, até hoje é considerado o melhor primeiro álbum por alguns especialistas. A banda foi fazendo sucesso, mas as drogas tornaram a participação de Barrett inviável e os outros membros foram atrás de novos rumos sem ele. Foi aí que David Gilmour entrou para substituí-lo não só dentro do Pink Floyd, mas na história do Rock Progressivo. Na década de 70 atingiram um grande estouro e tiveram vários hits, seus álbuns de maior sucesso saíram nessa época: “Wish You Were Here” e “Dark Side of The Moon”, que é considerado o ápice deles.

Rolaram muitos trabalhos bons na década de 80 com Roger Waters assumindo o papel de “membro principal” da banda, como The Wall, que acabou ganhando um filme de mesmo nome. Naquela mesma década, porém, Water acabou saindo, deixando Gilmour no “controle”. Sua “era” só acabou com o fim da banda, em 1995/1996, quando foi indicada para o Rock and Roll Hall of Fame americano, com breve retorno em 2014 que resultou no álbum “The Endless River”. Em 2015 eles anunciaram o fim definitivo, mas continuam sendo uma referência em rock psicodélico e progressivo com suas letras carregadas de questões políticas, insanidade e críticas sociais.

Música Favorita

Não consigo sequer COGITAR falar de outra que não “Wish You Were Here”. Título do álbum lançado em 1975, e foi um grande tributo a Syd Barrett, que havia entrada em colapso mental, então são letras pesadas e muito, muito tristes, principalmente “Shine On You Crazy Diamond”, que é dividida em duas partes.

A verdade é que, apesar de ouvir vez ou outra, que eu sequer ligava tanto pro Pink Floyd até o final de 2009, quando ESSA música entrou na minha cabeça para nunca mais sair. Fiquei completamente viciada nela até que, enfim, se tornou uma das mais importantes da minha vida quando usei ela para ser título do meu primeiro livro. O meu “Wish You Were Here” ainda não foi publicado, apesar de já ter fanpage no Facebook, e tá rolando um evento criado pelos meus amigos pra ver se a gente acha uma editora que faça isso, já que infelizmente sozinha eu não po$$o. Mas enfim, acho que deu pra entender o tamanho do amor, né? Gosto forte mesmo!

Quer saber mais sobre o Pink Floyd?

Conheça a banda através do seu website oficial (em inglês) e das redes sociais: Facebook, YouTube, Twitter e Instagram! Tem também um artigo bem completinho com a história deles detalhada lá na Wikipedia, que eu usei pra confirmar algumas datas e fatos desse post.

Continue Reading

Top 5: Os melhores riffs/solos de guitarra:

If I could fly... [2/2]

Eu sou uma eterna apaixonada pelo som da percussão. Não sei se por influencias externas, se eu já seria assim de qualquer jeito ou se um pouco dos dois, mas simplesmente amo e é no que mais presto atenção numa música, até na Orquestra Filarmônica que fui ver outro dia era o que eu mais gostava, apesar de não ser o foco. Apesar disso eu sinto que se fosse tocar algum instrumento seria guitarra (vai entender) porque tenho muitos ídolos que o fazem e, sendo assim, quando o Rotaroots propôs essa Blogagem Coletiva em comemoração ao Dia Internacional do Rock eu decidi mudar um pouco e resolvi mostrar um Top 5 de músicas que não são nada sem o som da guitarra na minha humilde opinião, e não digo só nos solos mas também em toda sua duração!!
Então aumentem um pouco o volume da caixinha de som porque hoje DEFINITIVAMENTE é dia de rock, bebê!

01) Wish You Were Here – Pink Floyd


Praaaa vaaariaaaar, né? Como eu já disse aqui essa música é MUITO importante para mim, não só por ser boa, ótima e maravilhosa, mas também por motivos pessoais que (eu espero) vocês vão saber em breve.
Gente, fecha os olhos e foca nessa guitarra, do início ao fim. É FANTÁSTICA! Essa música não tem um defeito, é toda perfeita em todos os aspectos, mas sem a guitarra quase morre. Olha essa introdução, olha esse final, olha esse tudo. Definitivamente uma música sem a qual não quero viver sem!
Outra ótima do Pink Floyd: Comfortably Numb (que é de chorar rios).

02) Something – The Beatles


O que eu acho mais maravilhoso nas músicas de George Harrison é que quando você canta nunca é só a letra, o som da guitarra também precisa de dito em voz alta! E Something é a maior prova disso, tanto que quando os amigos dele vão tocar (alô, Paul McCartney!) sempre rola um “Tchuru-ruru-ruru”, é muito incrível. Sem contar que a música é linda e é a segunda mais regravada dos Beatles, só perde pra “Yesterday”!
Outra ótima do George Harrison nos Beatles: While My Guitar Gently Weeps.

03) Since I`ve Been Loving You – Led Zeppelin


Não podia faltar Led Zeppelin aqui por motivos de: Jimmy Page! E eu nem vou falar mais nada porque não precisa e porque não dá pra falar, só ouvindo pra sentir!
(Apesar de que a bateria dela também é muito boa, socorro…)
Outra ótima de Led Zeppelin: Stairway to Heaven.

04) Gimme! Gimme! Gimme! – Yngwie Malmsteen


Tá, tá, tá, a gente sabe que a música originalmente é do ABBA (que vocês sabem que eu amo), mas eu amo as versões metalzinhas das músicas deles (sobre as quais já falei também) e essa é minha favorita, acho, porque esse cara é foda. Me desculpem pela expressão, mas é. E acho que foi essa versão dessa música que me fez ter uma vontadezinha que ainda cultivo de tocar guitarra, viu!
Outro cover ótimo de Yngwie Malmsteen: Beat It, do Michael Jackson, que é outra de solo incrível!

05) Smooth – Santana


Uma coisa engraçada sobre essa música é que eu a conheci quando tava no início da pré-adolescência ouvindo um CD de Sandy & Júnior, dá pra acreditar? E foi quando me apaixonei completamente por ela e continuei apaixonada até crescer mais um pouquinho e ouvir a versão do Santana que me provou que ela podia ser melhor ainda do que eu achava. Amo!

Agora quero saber duas coisas: 01) Qual dessas músicas citadas colocariam na lista de vocês e 02) Qual eu não citei e seria a número 1 no Top 5 de vocês, dessas que a gente dedilha na barriga fingindo que tá tocando! E feliz dia do rock!!

O tema desse post foi o Especial proposto esse mês do Rotaroots. Para ficar por dentro dos temas é só entrar no Grupo do Facebook!

Continue Reading

Versão em Lego de Capas de Álbuns dos Beatles

Eu AMAVA Lego quando era criança, deixava até uma caixa na casa da vovó pra poder brincar todos os dias que quisesse mesmo, estando em casa ou não, ia pra casa da Patiquinha e o Rodrigo, irmão dela, tinha MUUUITO, nossa, a gente construía coisas do arco da velha. Eu ainda tenho um que era meu favorito, de parque de diversões, e a um tempão atrás fiz com ele uma casinha e ela está praticamente montada guardada lá na casa da mamãe me esperando buscar.
Então quando junta Lego com qualquer coisa que eu AMO dá nisso: empolgação sem tamanho. Aí eu achei no Whiplash capas de álbuns dos Beatles em versão Lego e tive que vir aqui mostrar meus favoritos!!

Abbey Road

beatlego_01


Revolver (tem até o nome do album adaptado!!)

beatlego_02


A Hard Days Night

beatlego_03


With The Beatles

beatlego_04


E tem várias capas lindas de outras bandas lindas. Fique abismada com o capricho pra The Division Bell (Pink Floyd) e a do Nevermind (Nirvana) ficou basurdamente perfeita!!

beatlego_05

beatlego_06

Se você digitar “Lego” no WeHeartIt aparecem coisas muito legais, inclusive várias capas de álbuns assim. Pena que é difícil achar a origem =( Eu tenho uma montagem com a capa de Abbey Road LINDA aqui e meu medo de jogar na internet é justamente nunca saberem que fui eu que fiz, coloquei os créditos pequenininho de lado mas dá pra cortar, e marca d’água grandona ia estragar o trabalho todo…

Eu achei isso aqui, aqui e aqui, os três no mesmo site!!

Continue Reading