A Voz Suprema do Blues

A Voz Suprema do Blues: cena do filme em que Viola Davis, interpretando a cantora Ma Rainey, se encontra ao centro, com uma mão levantada e a outra na cintura, usando um vestido típico da década de 20 em tom neutro de aspecto elegante está posicionada em frente a um microfone, cantando. No canto esquerdo da imagem o ator Chadwick Boseman interpreta Leve, tocando um instrumento de sopro enquanto veste terno de risca de giz. Ao fundo estão outros músicos da banda do filme, todos homens negros. O grupo está dentro de uma sala de cores neutras, apagadas, com grandes cortinas cobrindo as janelas.

A Voz Suprema do Blues (Ma Rainey’s Black Bottom) *****
A Voz Suprema do Blues: Poster do filme em que o título em inglês (Ma Rainey's Black Bottom) está no topo e os créditos na parte inferior. Como imagens principais estão os astros Chadwick Boseman e Viola Davis, ele tocando um instrumento e ela posando, ambos vestindo trajes da cor azul marinho típicos da década de 1920 e com ar de luxo. Elenco: Chadwick Boseman, Viola Davis, Colman Domingo, Glynn Turman, Michael Potts, Taylour Paige, Dusan Brown, Jeremy Shamos
Direção: George C. Wolfe
Gênero: Biografia, Drama
Duração: 94 min
Ano: 2020
Classificação: 16 anos
Sinopse: “Ma Rainey (Viola Davis) é a ‘Rainha do Blues’. Ela faz um disco em um estúdio em Chicago, em 1927, mas as tensões fervem entre ela, seu agente, o produtor e seus colegas de banda.” Fonte: Filmow.

Comentários: Adaptado na peça de 1984 “Ma Rainey’s Black Bottom”, seu título em inglês, A Voz Suprema do Blues é um drama centrado na gravação de um dos álbuns da cantora de blues norte-americana Ma Rainey, quando o trompetista Levee demonstra grande ambição de entrar na indústria da música de forma mais ativa, através de suas próprias composições, provocando o resto da banda composta por homens negros de diferentes idades. A duração do filme é relativamente curta para um longa metragem e tem cenário bem limitado, se passando quase todo em apenas um dia, mas o primor da produção, atuações excelentes e temáticas relevantes rendeu cinco indicações à premiação do Oscar que acontece nesse domingo, dia 25, sendo elas Melhor Ator (Chadwick Boseman, em indicação póstuma), Melhor Atriz (Viola Davis), Melhor Direção de Arte, Melhor Maquiagem e Melhor Figurino. (Atualizado: foi VENCEDOR das duas últimas!)

Mas antes… Senta que lá vem história! Gertrude “Ma” Rainey era conhecida como “A Mãe do Blues” por ser uma das principais cantoras de blues afro-americanas na década de 1920, uma das primeira mulheres a gravar álbuns do gênero. Sua carreira começou na Georgia, onde alegava ter nascido e faleceu, mas migrou para o norte, quando gravou diversos álbuns com a Paramount, em Chicago. Foi casada com Will “Pa” Rainey, também artista, o que deu origem ao seu nome de palco, e era conhecida não só pelo pioneirismo na área em relação ao seu gênero e cor e grande dinamismo performático, mas também estilo de vida controverso sexualmente, com seus casos com pessoas de ambos os sexos, e socialmente, ao se vestir com roupas tradicionalmente masculinas, atitudes consideradas radicais à época.

Apesar de falar da gravação de um álbum real por uma artista real, a trama que gira em torno de Levee, último papel de Boseman, é fictícia. Ele por si só é uma figura BEM interessante, um daqueles personagens profundos que te fazem sentir um pouco de incômodo pelas atitudes, mas tendo isso justificado logo em seguida ao conhecer um pouco mais de sua vida dramática carregada de cicatrizes, físicas e psicológicas. Um jovem que acredita no próprio trabalho em uma época onde negros sequer tinham direitos civis nos Estados Unidos, e apesar de ter estilo diferente da chefe na arte que eles compartilham é clara sua admiração por ela, que consegue ditar ordem até para os homens brancos com os quais trabalha. Essa dupla de protagonistas, lado a lado com um pequeno grupo de coadjuvantes tão incríveis quanto, é, de todos os pontos positivos, o mais admirável. Todos im-pe-cá-veis!

A Voz suprema do Blues: cena do filme em que Chadwick Boseman se encontra em primeiro plano, deitado sobre um banco com a cabeça apoiada em uma melta, e os outros membros da banda do filme estão ao fundo, olhando pra ele, ao lado de seus instrumentos. O quarteto se encontra em uma sala de parede de tijolos expostos e piso de paralelepípedos, com apenas uma pequena janela ao fundo de onde vem a iluminação e toda o ambiente tem tons neutros evidentes, dando detaque para o dourado dos instrumentos de sopro e o amarelo do sapato do protagonista.
A Voz Suprema do Blues: Imagem via Poltrona Nerd.

O roteiro é super forte, levanta muitas questões ativistas relevantes até hoje, complementado parte técnica que não deixa a desejar com sonoplastia excelente, fotografia belíssima e um figurinos característico da década de 1920 bem trabalhado. O visual do filme tem tons sóbrios, até mesmo o céu de verão em Chicago é pálido, quase branco, o que torna os ambientes fechados onde a história se desenvolve abafados, meio claustrofóbicos, mostrando o lado não tão glamouroso da indústria da música na prática. Uma vez que se trata de teatro adaptado para filme, as falas são rebuscadas e longas, combinadas ao sotaque sulista das personagens que intensifica essa característica. Para algumas pessoas imagino que isso seja um incômodo, principalmente nos pontos onde beira o musicado, tornando a pouca duração levemente arrastada. Não me atrapalha, achei que os desfechos surpreendentes fizeram valer a pena, mas entendo quem não gosta muito desse aspecto.

Leia também: 5 artistas (negras) do Renascimento do Harlem que você precisa conhecer!

Pessoalmente esse filme tinha grande apelo para mim porque gira em torno de um assunto que estudo desde o ano passado, o Renascimento do Harlem, conhecido como Novo Movimento Negro, que aconteceu bem nesse período. Apesar de a história não se passar nesse bairro Nova York, o “centro” do movimento, toda a discussão da emancipação cultural e intelectual afro-americana que girava em torno dele era a mesma no país inteiro, e a Ma Rainey era um das suas vozes, no sentido literal e figurado. Acho muito importante continuar falando sobre ele sempre para que a história dessas pessoas não se perca. Além disso, assisti depois e recomendo demais os dois documentários da própria Netflix sobre, Chadwick Boseman: Para Sempre, uma homenagem bem bonita ao ator, e A Voz Suprema do Blues: Bastidores, com mais informações a respeito do que aconteceu de verdade e sa produção em si, valem a pena!

Trailer:

Continue Reading

Capitão América: Guerra Civil

Capitão América: Guerra Civil, via Filmow

Capitão América: Guerra Civil (Captain America: Civil War) *****
Elenco: Chris Evans, Robert Downey Jr., Sebastian Stan, Scarlett Johansson, Anthony Mackie, Elizabeth Olsen, Jeremy Renner, Paul Rudd, Chadwick Boseman, Don Cheadle Lieutenant, Tom Holland, Paul Bettany, Daniel Brühl, Emily VanCamp, Martin Freeman, Frank Grillo, William Hurt, John Kani, John Slattery, Hope Davis, Marisa Tomei, Michael Anthony Rogers, Stan Lee
Direção: Anthony Russo, Joe Russo
Gênero: Ação, Aventura
Duração: 147 min
Ano: 2016
Sinopse: “Quando o governo cria um órgão para supervisionar os Vingadores, o super time de heróis se divide em dois. Um liderado por Steve Rogers e seu desejo em manter os Vingadores livres para defender a humanidade sem interferência do governo, e o outro que segue a surpreendente decisão de Tony Stark em apoiar o governo na fiscalização de seus atos.” (fonte – sinopse e pôster)

Comentários: É absolutamente impossível para mim não vir aqui e comentar esse que está sendo considerado o “melhor filme de super heróis de todos os tempos”. Não sei dizer se concordo ou discordo dessa afirmação porque acho que não dá pra definir esse tipo de coisa, mas realmente ele é MARAVILHOSO! Tenho gostado muito do trabalho que tem sido feito com os heróis da Marvel como um todo, como os filmes têm uma interação ótima entre si em que é possível entender tudo mesmo sem ter assistido todos, mas que você vai percebendo que ficam cada vez melhores à medida que você adiciona informações nesse “currículo”. Guerra Civil atingiu o ponto máximo nesse sentido: referências bem colocadas, lutas na hora certa, ideologias expostas claramente, tudo com o humor e o drama certos nas horas certas, simplesmente amei! O principal para mim, porém, foi a reflexão que ele foi me causando enquanto eu assistia e que consegui desenvolver melhor assim que acabou, que foi o que me levou a escrever esse post mesmo já tendo lido outros (vários) nos últimos dias.

A questão é a seguinte: eu não gosto de ter sentimentos extremos em relação a nada! Tenho minhas opiniões, crenças e lutas, mas sempre estou aberta a ouvir o outro lado da história quando ele vem com bons argumentos. Desde o início eu “assumi” meu posicionamento “#TeamCap” porque sabia que minhas ideias batiam muito mais com as do personagem à medida que ia recebendo mais informações sobre a história do que com as do Homem de Ferro, que já é um herói com o qual não simpatizo tanto. E foi aí que o enredo foi se desenvolvendo e eu consegui ver acertos e falhas em absolutamente TODOS eles, tanto os que lideravam quando os que seguiam. Isso, pra mim, foi incrível! Tive meus momentos de indignação, claro, mas na maioria das vezes eu conseguia aceitar e entender exatamente os motivos que levaram cada acontecimento, e foi o que eu mais gostei de tudo. Não é uma questão de ficar “em cima do muro”, mas saber que existe bem e mal em todo mundo, a gente só precisa descobrir isso com cuidado e ver qual dos dois prevalece. Quando é o bem vale a pena pelo menos ouvir o ponto de vista dessa pessoa. Quando é o mal, como é o caso do vilão do filme… Bom aí “não dá pra te defender”, né! Claro que no fim das contas tendo uma visão ampla da coisa eu ainda apoio “mais” o Capitão América, mas também não consigo que seja um apoio total, tanto que acho que se eu estivesse vivendo a situação não ficaria no time dele (eu sei, chocante).

Sendo assim pensei muito sobre o assunto e entre todos os personagens ali minhas atitudes seriam mais ou menos as da Viúva Negra, que eu adoro desde sempre e tenho gostado cada vez mais: ela faz o que acha ser o melhor para todos, independente de times ou preferências pessoais. Um que me surpreendeu muito foi o Pantera Negra: passei o filme todo com ANTIPATIA dele (apesar daquele uniforme irado), e no final fiquei positivamente surpresa como o quão maravilhoso ele é, merece demais um filme solo. E o meu favorito, é claro e óbvio e evidente, foi o Homem Aranha, Tom Holland ARRASOU, simplesmente! Eu confesso que tava achando repetitivo e desnecessário isso de fazer MAIS filmes dele em tão pouco tempo, mesmo sendo um dos meus heróis favoritos, mas depois de vê-lo no papel tô só esperando a data do filme sair pra gritar “ME CHAMA QUE EU VÔ”! E, por favor, quando chegar a hora que as legendas continuem tão maravilhosas quando a dessa estava, sério, era um show à parte ver os nossos trocadilhos substituindo os deles!

Trailer:

Continue Reading