5 Filmes Lançados em 1990 (e você precisa assistir!)

5 filmes lançados em 1990 que você precisa assistir!

Você já parou pra analisar qual filme lançado no ano do seu nascimento é tão maravilhoso que acha que TODO MUNDO deveria assistir? Pois bem, eu nasci em 1990, quaaase 30 anos atrás, e apesar de ter certa dificuldade de encontrar mídias lançadas naquele ano em pesquisas rápidas Google, que insistem em me informar sobre a década inteira, tenho uma listinha de alguns queridinhos e outros que nem tanto, mas que julgo particularmente especiais. Sendo assim no Top 5 de hoje falarei sobre filmes lançados em 1990 que você precisa assistir!

5 filmes lançados em 1990 que você precisa assistir!

Psiu! Pres’tenção! As escolhas e avaliações feitas dos filmes citados nesse post levam em consideração um único e exclusivo critério chamado MINHA OPINIÃO. Não pretendo estabelecer um ranking profissional, me basear em aspectos técnicos ou mesmo levar em consideração as bilheterias. O Top 5 é pessoal e intransferível!

01) EDWARD MÃOS DE TESOURA

5 filmes lançados em 1990 que você precisa assistir!

Título original: Edward Scissorhands (EUA) ***** | Assista ao trailer!

A aposta de Tim Burton para a temporada de natal daquele ano foi e ainda é o queridinho de muitas pessoas em todo o mundo! Edward Mãos de Tesoura conta a história de um jovem criado em laboratório por um inventor, que morreu antes de poder dar mãos a ele, deixando grandes tesouras afiadas no lugar. Ao ser encontrado pela matriarca da família Boggs, ela resolve leva-lo para morar em sua casa, onde ele passa a socializar com os moradores da colorida vizinhança até, enfim, se apaixonar pela filha do casal, Kim.

Quem me conhece sabe, e se não sabe fica sabendo, que tenho aversão ao Johnny Depp há muitos anos. Não é hora de citar motivos (alguns deles envolvendo esse filme), principalmente porque sei que é um grande favorito de MUITA gente, mas realmente sou o tipo e pessoa que não separa obra do artista, pra mim isso não existe. Porém nem mesmo a presença dele, MUITO bem trabalhada, diga-se de passagem, consegue estragar esse filme para mim. O contraste das cores do subúrbio americano com o universo em preto e branco do protagonista, sua trajetória como herói que vai ao ápice até chegar em declínio, o romance extremamente inocente que se tornou memorável… E a jovem Winona Ryder, é claro! É um clássico atemporal, impecável!

02) UMA LINDA MULHER

5 filmes lançados em 1990 que você precisa assistir!

Título original: Pretty Woman (EUA) ***** | Assista ao trailer!

Edward Lewis é um homem de negócios milionário que acaba de ficar solteiro, bem na véspera de uma importante semana de negociações onde é essencial a presença de uma boa acompanhante. Tentando encontrar o caminho de seu hotel onde passará esses dias, ele cruza com a prostituta Vivian Ward, para quem pede informação. Mais tarde já na sua cobertura, acaba contratando os serviços da garota, com quem passa a noite e decide estender o acordo até o fim da semana, pagando para que ela seja a companhia feminina que tanto precisa. Ele tem toda a bagagem acadêmia que ela gostaria e nunca teve acesso, ela esbanja o humor e descontração que faltam na vida dele. Tem como uma mistura dessa dar errado?

Garry Marshall (RIP) e suas obras de arte cinematográficas. Como falar de Uma Linda Mulher? O QUE falar dele? Que Richard Gere está lindo e Julia Roberts maravilhosa? Que é um conto de fadas da vida moderna? Que tem visual inspirador ainda 30 anos depois, com suas ruas icônicas de Hollywood, desde a mais sofisticada à super underground, e figurinos que gostaríamos de usar aqui na realidade em todos os dias da nossa vida? Eu tenho ORGULHO PESSOAL em ter nascido no mesmo ano que o amor de Edward e Vivian. Eu me gabo disso, ainda que seja um fato que não pude controlar. Perfeito!

03) GHOST: DO OUTRO LADO DA VIDA

5 filmes lançados em 1990 que você precisa assistir!

Título original: Ghost (EUA) ***** | Assista ao trailer!

Mais uma história de amor clássica do cinema norte americano (estamos românticas hoje, veja bem). Em Ghost, Sam é morto em um assalto, deixando a namorada Molly em luto completo nos dias seguintes, mas seu espírito permanece na Terra, podendo até acompanha-la. Ele descobre, então, que tem como assunto inacabado as falcatruas de um colega de trabalho das quais já tinha conhecimento e que põe a moça em risco de ter o mesmo destino. Para mudar isso, vai atrás de Oda Mae, uma médium charlatã que, após anos de falcatruas fingindo ouvir espíritos, enfim adquire esse dom ao se deparar com o dele.

Esse é “daqueles”… Que a gente não precisa ver pra saber o quanto é grande. Mesmo quem nunca assistiu conhece a famosa cena do jovem casal se beijando em frente à mesa giratória enquanto ela cria um vaso de barro ao som de “Unchained Melody”… Ou mesmo já espera rir um pouco da atuação grandiosa e vencedora do Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante de Whoopi Goldberg em meio a um drama tão triste, mas pelo qual vale a pena chorar. E, curiosidade pessoal, já que o tema é esse: ele foi lançado na gringa dia 13 de julho de 1990, quando eu tinha apenas 3 dias de vida!

04) CONVENÇÃO DAS BRUXAS

5 filmes lançados em 1990 que você precisa assistir!

Título original: The Witches (Reino Unido) ***** | Assista ao trailer!

Um terror infantil que marcou várias crianças ao assisti-lo na Sessão da Tarde, resta decidir se positivamente ou não. Baseado no livro de mesmo nome, Convenção das Bruxas é a história de Luke, uma garoto cuja avó alertou prontamente sobre a existência de bruxas, seres malignos que se disfarçam de mulheres comuns e odeiam crianças. Para desespero do garoto, os dois se hospedam justamente em um hotel onde ele descobre estar acontecendo um encontro de bruxas britânicas que pretendem transformar todas as crianças do mundo em ratos.

Esse filme me traumatizou tanto que eu sequer conseguia pronunciar a palavra “bruxa” na música do teatrinho que fizemos na minha formatura da pré-escola. Passei semanas dormindo no quarto dos meus pais porque meu medinho já existente causado por “Abracadabra” se transformou em horror. O visual de Anjelica Huston como a líder delas é PAVOROSO e meus piores pesadelos envolviam ficar presa por ela em um quadro como aconteceu com a amiga de infância da avó de Luke. Gente… Juro, apesar de ter opinião completamente diferente de bruxaria hoje em dia e reconhecer o valor enorme dele, tanto que adicionei na lista, só se escrever esse pedacinho do post arrepiei toda! Acho que é um bom sinal, né? Pros que não são bocós e adoram, se preparem: um remake está em produção contando com as maravilhosas Anne Hathaway e Octavia Spencer!

05) LUA DE CRISTAL

5 filmes lançados em 1990 que você precisa assistir!

Título original: Lua de Cristal (Brasil) ***** | Assista ao trailer!

E eu sei que você aí, cinéfilo cult, virou o nariz pra minha lista nesse exato momento, mas não me importo. Lua de Cristal merece estar aqui e, no momento literalmente, só minha opinião importa. Maria da Graça, interpretada por Xuxa Meneghel (porque SIM, ela deu seu nome de batismo pra personagem), se muda para a casa da tia na cidade grande com o objetivo de ser cantora, algo que sua timidez sempre a impediu de tentar. Chegando lá ela é feita de escrava por seu casal de primos e fica amiga de Duda, sua vizinha, e de Bob, um entregador que surge para ser o príncipe incomum, porém perfeito para caber direitinho no seus sonhos.

Brega da primeira até a última cena, com força. Contando com a presença de Sérgio Malandro, ainda por cima, no papel de mocinho da história, além de paquitas e paquitos como coadjuvantes. A cena clímax meio princesa, meio fada, então? Pelo amor de Deus, sinto vergonha alheia só de pensar. Tudo isso embalado pela música título cuja letra é todos os textos de auto ajuda condensados em forma de poesia. Só que não podemos esquecer que estamos em 1990, né? Se essa não é uma manifestação extrema da cultura popular do nosso país naquela época, eu não sei o que é.

BÔNUS: FILME LANÇADO EM 1990 QUE EU PRECISO ASSISTIR!

5 filmes lançados em 1990 que você precisa assistir!

Lembranças de Hollywood (Postcards from the Edge), EUA | Assista ao trailer!

Vejo MUITA gente falando que essa comédia é bem mediana e decepcionante para os padrões que se espera do elenco e mesmo da temática principal… Mas eu AMO MUITO a Meryl Streep! Tenho aqui esse plano de assistir a todos os filmes para os quais ela foi indicada ao Oscar, já que os que realmente ganhou felizmente vi, e esse tá na lista, uai, tem que entrar nas metas e é isso aí. Ainda mais contracenando com a também gigante Shirley MacLaine.

O roteiro foi escrito por Carrie Fisher, eterna Princesa Leia de Star Wars, cuja trajetória marcada pela loucura de ter pais famosos está super presente na história, que aborda a relação de uma dupla de mãe e filha nessa mesma situação… Bem naquela vibe de “a vida imita a arte”, sabe? Esse sempre foi um dos motivos que me deixou curiosa para ele, mas depois de conhecer um pouco mais a fundo sobre como ela se sentia nesse lugar ao ler Memórias da Princesa: Os Diários de Carrie Fisher, a vontade ficou ainda maior. Mesmo que não seja biográfico, com certeza tem pitadinhas de experiência pessoal, mesmo que superficiais, aqui e ali… Alguém aí já viu pra me dar o veredito?

ATENÇÃO! Todos os pôsteres de filmes que ilustram esse post foram tirados de suas respectivas páginas no site Filmow, acesso em 1º de maio de 2020.

Interação United Blogs

Esse post faz parte da BLOGAGEM COLETIVA de Maio do United Blogs, que tem como tema O ANO EM QUE NASCI, sugerido por mim(!): “Em que ano você nasceu? Explore o tema e o interprete como quiser dentro do seu nicho! Liste um ou mais acontecimentos importantes, de repente uma música bacana lançada nesse ano, ou algum famoso que você admira que nasceu no mesmo ano que você. As possibilidades são muitas, então solte a criatividade!”. Veja outros textos participantes em breve.

Continue Reading

5 curiosidades sobre Wish You Were Here: Um Romance Musical

5 curiosidades sobre Wish You Were Here: Um Romance Musical

No final desse mês, mais precisamente dia 31, vai fazer 9 meses que publiquei meu primeiro livro, Wish You Were Here: Um Romance Musical, como e-book. Depois teve o lançamento da versão física (sobre o qual ainda preciso falar aqui!) e desde então ele me trouxe MUITA COISA GOSTOSA nessa vida! Cada vez que alguém lê, gosta, avalia e comenta eu sinto como se tivesse realizando mais uma vez o mesmo sonho, de novo e de novo. Acho que nunca vou me acostumar com isso: vários dos meus blogs favoritos têm resenha do meu livro! Parecia que nunca ia acontecer até que simplesmente aconteceu. Resolvi, então, contar 5 curiosidades sobre ele, pra quem já leu entender alguns aspectos e quem não conhece ainda, quem sabe, se interessar em fazer isso agora.

1. A história, originalmente, se passaria na Inglaterra

Ah, a jovem Luly, no auge dos seus 19 anos e paixão por tudo o que é porcaria britânica que via na frente, acreditando que a Inglaterra era o centro de toda a boa cultura e civilidade da Terra. Eu sei, você riu aí dela, do outro lado da dela. Eu ri de cá, também. Eu comecei essa história há MUITOS anos, no início da faculdade, com um dos calcanhares ainda na adolescência, realmente acreditando que conseguiria fazer isso. Felizmente o tempo passou, amadureci e percebi que não só NÃO PODERIA fazer isso, já que nunca sequer pisei naquele país, como também não precisava. Boas vidas são vividas nesse lindo (e complicado) Brasil, e boas histórias podem se passar aqui também. Somos tão cultos e civilizados quanto, tem problema e lindeza daqui e de lá.

Trouxe o enredo pra Belo Horizonte, MINHA cidade, mas algumas coisas se mantiveram, é claro! O título, uma música do Pink Floyd, pedia por essa trilha sonora quase toda formada por ingleses (e minha playlist idem). A linha do tempo dele, com a Marie começando a faculdade em agosto (e não fevereiro/março) permaneceu, com a justificativa que ela tinha passado para o segundo semestre da UFMG. A capa, inclusive, tem no fundo um Sol em formato da bandeira do Reino Unido e suas cores, como uma homenagem da Mari (minha amiga, que fez ela pra mim) desse acontecimento que ficou pra trás. Os nomes das personagens foram todos abrasileirados, com exceção dos protagonistas, que foram justificados.

5 curiosidades sobre Wish You Were Here: Um Romance Musical
Wish You Were Here, o e-book

2. As personagens principais têm nomes de ícones da história do rock

E aqui está a justificativa! Eu não podia perder esse detalhe, gente, Marie e David se chamavam Marie e David, com pronúncia em francês e inglês, respectivamente, e se mudasse isso não ia sentir que eles eram os mesmos mais. Isso porque ambos os nomes foram tirados de pessoas que, direta ou indiretamente, participaram a história do rock. O de David não só é explícito como MENCIONADO na história, como o motivo pelo qual sua mãe o batizou assim: David Gilmour é um dos membros do Pink Floyd, autor da música-título da história (e favorita do personagem), “Wish You Were Here”. Olha a homenagem que seria perdida aí!

Mas e a Marie? O nome francês não é justificado pela sua ascendência? Bom, no texto, sim. Mas na verdade é muito mais do que isso. Ela vive a história ao lado não só de David, mas também de sua melhor amiga, Elisa, que todos chamam de Lisa. E se você pensou em Lisa Marie Presley, filha de Elvis, ex esposa de Michael Jackson e que também teve uma carreira musical, pensei certíssimo! É, não tinha como mudar isso. Minha solução foi uma nota de rodapé, explicando como são feitas as duas pronúncias, e mantendo essas justificativas que já faziam parte do original, de qualquer forma.

Na verdade TODOS os nomes têm significado, nenhum é de origem aleatória, sendo tirados de pessoas que conheço na vida real e personagens da minha série favorita, E.R., da qual também tirei informações pra segunda metade da história (mas, ei, é spoiler!). Só que se for explicar cada um individualmente vamos ficar aqui uma eternidade, então fica pra outra hora…

3. O subtítulo foi adicionado duas semanas antes do lançamento

Durante uma década o livro se chamou “Wish You Were Here”, apenas. E durante todo esse tempo busquei um outro título pra substituir, mas novamente não consegui. Apesar de as músicas não serem realmente cantadas eu queria que ele fosse mais ou menos um filme musical, mesmo, e eles nunca têm títulos traduzidos. Eu já sabia que era problemático, mas o problema se tornou ainda maior quando foi parar numa loja internacional, como a Amazon. Como deixar claro pros leitores brasileiros que era destinado a eles, e para os de língua inglesa que NÃO era pra eles? Muito bem, com um subtítulo em português! Coloquei mil ideias na mesa e meus amigos queridos, que me ajudaram em TUDO no processo, me guiaram a chegar em “Um Romance Musical”, o que não só resume como explica a essência da história. E é legal porque, mais uma vez, seguiu a linha dos filmes do estilo, porque muitos vêm pro Brasil nessa vibe também.

5 curiosidades sobre Wish You Were Here: Um Romance Musical
Wish You Were Here, livro físico

4. A capa é inspirada em uma foto minha

Em 2015, quando alguns amigos me convenceram que eu devia terminar essa história que eu tanto amava, mas tinha abandonado por não acreditar que seria lida um dia, aproveitei que tinha uma amiga de fora visitando BH e a levei ao zoológico em um dos dias de passeio (teve vlog aqui!). Um dos motivos era revisitar a área dos mamíferos africanos e relembrar EXATAMENTE como é a grade dos elefantes, cenário da minha cena favorita da história. Enquanto estava ali, parada, admirando esse animais que amo tanto (e a Marie mais ainda), outra amiga tirou uma foto minha com eles ao fundo. Meses se passaram, mais de um ano, e no meu aniversário de 2016 abri o presente da Mari e nele tinha, dentro de um porta retratos, um cartaz minimalista da história retratando essa cena, usando minha foto como base.

Ela foi contra, num primeiro momento, a usar esse presente como capa, porque não achava legal o suficiente para isso. Já eu simplesmente não conseguia enxergar de outro jeito mais! Usava até de wallpaper do celular, pra me lembrar todos os dias que um dia ainda ia conseguir publicar. E, de fato, publicamos, todos juntos! Ela refez o trabalho todo pra ficar mais bonito ainda quando estava pra sair, mas ainda existem registros da arte original no meu Instagram e da foto que a inspirou por lá também!

5. O livro foi publicado exatamente 10 anos após Marie e David se conhecerem

No final do Capítulo 1 – Julho, Marie e Lisa estão subindo as escadas do prédio para onde recém se mudaram e trombam com um par de vizinhos que, depois, se tornam seus namorados: David e Victor. É a última semana de férias delas, dia 31 de julho de 2009, uma sexta feira – sim, olhei o calendário para escreve-lo e os eventos belorizontinos descritos na obra de fato aconteceram. O que eu, Luly, estava fazendo esse dia? Não faço a mínima ideia, tem um post aqui no blog nessa data, então o escrevi em algum momento. Mas sei EXATAMENTE o que eu estava fazendo em 31 de julho de 2019, uma década depois: lançando oficialmente o e-book do meu primeiro livro! Lembro de receber o e-amil da Amazon avisando que ele estava disponível para ser lido no Kindle. Lembro de amigos me marcando em seus Stories pra comemorar que o receberam também. Lembro de saber que jamais esqueceria aquele dia em toda minha vida, e ainda sei jamais vou esquecer!

Outra curiosidade? O epílogo também se passa em um 31 de julho, só que esse de 2010. O que aconteceu nesse um ano na vida dela só vai saber quem ler! Wish You Were Here: Um Romance Musical está disponível como e-book na Amazon Kindle por R$5,99, de graça para assinantes Kindle Unlimited, e a edição física pode ser comprada na minha loja virtual por R$40,00 já com frete incluso pra qualquer lugar do Brasil. Vocês também têm a chance de ganha-lo num sorteio que tá acontecendo até dia 11/04 lá no Instagram @retipatia, onde a Re fez uma resenha incrível dele com as fotos mais maravilhosas do planeta, cuja leitura vale a pena!

Blogagem Coletiva Interative-se

Continue Reading

Aplicativos Favoritos

Faz dois meses que troquei de celular para um Samsung J2 e eu tô AMANDO porque meu antigo, que Deus o tenha, por ser bem antigo não me deixava ter praticamente aplicativo nenhum, tinham várias coisas que eu via a galera recomendando e queria testar, então agora posso! E aí casou que uma das Blogagens Coletivas do mês do United Blogs era justamente contar os Aplicativos que Recomendo, então o “Hello, hello” dessa semana foi especialmente para isso! Sobre o aparelho em si eu tô gostando MUITO, sei que é novinho mas até hoje não tive nenhum segundo de decepção, travamentos ou coisas do gênero, mas eu não esperava que tivesse: sempre dou sorte com essas coisas e sou uma fã fervorosa da combinação Samsung + Android, não acho que sairei dela, a menos que algo MUITO forte aconteça.

Principais aplicativos mencionados:
Instagram (lulylage) [ Google Play | App Store ]
SnapChat (sweetluly) [ Google Play | App Store ]
WhatsApp [ Google Play | App Store ]
SIU Mobile BH [ Google Play | App Store ]
Uber [ Google Play | App Store ]
Clue [ Google Play | App Store ]

A captura da tela do celular foi feita pelo app AZ Screen Recorder, que eu não indiquei no vídeo porque era a primeira vez que estava usando. Para esse caso eu até gostei mas ele ficou um pouquinho lento, como deu pra ver no vídeo, tenho que testar uma gameplay ou algo assim depois pra ver se funciona bem. Se rolar eu juro que conto! E vocês, qual o aplicativo que vocês “amam e vão defendê-lo”, que nem eu faço com o Clue? Me conta que dependendo eu passo a amar também!

United Blogs

Continue Reading

Uma carta para meu eu daqui a 10 anos

Hello, hello, Luly! Menina, que loucura eu aqui, me comunicando com você! A um ano (e com essa sua memória ótima você com certeza se lembra) eu escrevi uma carta para Lulynha de 13/14 anos e agora aqui estou, tentando falar com a de 34/35. Na verdade se eu pudesse eu te importaria do futuro para saber como vocês está, mas como não dá vou ver se minha vã sabedoria sobre nós duas pode te ensinar alguma coisa. Vai saber…

Parece hipocrisia minha querer que você volte para falar comigo uma vez que eu jamais voltaria para falar com nossa versão “teen” com medo de atrapalhá-la, mas em minha defesa digo que ela jamais vai ler o que escrevi, mas daqui a dez anos você (ou eu?) pode simplesmente abrir esse post para relembrá-lo e refletir sobre ele. Então acho que é uma troca justa. Sem contar que eu me orgulho muito muito da ex-Luly, mas me dá medo em pensar se VOCÊ AÍ, nesse mundo que eu nem sei como imaginar, se orgulha de mim também.
Sei que não faz o menor sentido porque, no fim das contas, quem define sua vida sou eu. Estranho, né? Ser responsável pela vida de alguém que ainda vai existir… Pensando bem você já existe, porque você sou eu, mas para mim é como se não existisse ainda porque eu vejo um mundo de possibilidades que podem vir ou não a ser você, isso sem contar as que não enxergo. Esse papo té meio estranho, mas visualiza aí a Luly 45 que loguinho você percebe o que quero dizer e buga no meio do seu desespero pessoal em pensar no futuro.

O que mais vem na minha cabeça quando penso sobre você é se as coisas que hoje me fazem chorar te fazem sorrir (tomara!) e se as que me fazem sorrir te fazem chorar (poxa, aí não…). Obviamente não estou falando dos verbos em si, mas dos sentimentos que eles representam. Será que você superou tudo o que eu acho que não tem como superar? Será que você conseguiu colocar no lugar tudo o que estava completamente fora dele, quase ao contrário? Será que o que era certo ficou errado e isso foi bom? Será que você escreveu tudo o que queria escrever e outras coisas a mais do que isso? Será que valeu a pena, seja lá o que for?
Espero que sim.

Eu queria muito te dar algum conselho, mas honestamente não sei se é hora pra isso. Tenho certeza de que você é muito mais sábia do que eu. Ainda assim, se me permite, tenho duas coisinhas a te dizer que têm sido muito importantes pra pessoa que sou hoje e que podem vir a ser para que serei um dia: 01) não deixe de fazer o que você quer e faz bem porque te disseram que não é bom o suficiente para você ou que você não é o suficiente para conseguir isso e 02) escolha ser gentil. Sempre.
Te vejo em dez anos, loguinho a gente se encontra. Prometo!

Sheaffer

Esse post foi um dos temas proposto a alguns meses atrás como Blogagem Coletiva no Rotaroots e tava encalhado nos meus rascunhos. Não consegui finalizá-lo como gostaria (na verdade achei que ficou bem bosta, hahaha), mas decidi que queria publicá-lo mesmo assim.
(Sem contar que tava sem post pra hoje, ehr…)

badge_post_01

Continue Reading

Memórias de uma blogueira das antigas…

O tema deste post foi um dos propostos como blogagem coletiva desse mês do Rotaroots. Para ficar por dentro dos temas é só entrar no Grupo do Facebook!
O título é uma referência tosquinha ao livro “Memórias de um Sargento de Milícias”. Não ficou bom, mas foi de coração.

"Keep smiling, keep shining...
Madrugadas na internet com a ‘miga do lado: quem nunca?

A primeira vez que li sobre blogs foi numa revista W.I.T.C.H. quando eu ainda nem tinha internet em casa, mas fiquei doida pra ter só pra poder fazer o meu. E assim que instalamos a Click 21 na minha casa em 2003 (melhor internet discada DA VIDA!) foi o que eu fiz: entrei no site da Dakotinha, que tinha um sistema bem facinho de postagens, e criei o meu. Não tinha endereço personalizado nem podia trocar de layout (você escolhia a cor e cada cor tinha um símbolo, o meu era rosa com estrelinhas), mas eu passava o fim de semana copiando e colando imagens fofas nele: sábado a partir das 14h, domingo o dia todo, nas férias em dia de semana da meia noite às 6h. Textos que é bom quase nada.

Aí descobri outros “universos” como Weblogger (o Sweet Luly nasceu lá!), Blogger Brasil (o Sweet Luly passou por lá também!), Blig, Zip.Net, Blogspot… Tive incontáveis blogs: particulares, comunitários, fã clubes, “condomínios de blogueiros”, mini sites, tudo o que se pode imaginar. Eles a princípio eram um “local para postar imagens bonitinhas” ou “desculpa pra usar um template legal de algum template shop qualquer”, mas aos poucos eu fui lembrando o quanto escrever é bom e foi quando nasceu o Sweet Luly: o diarinho virtual da garotinha de 14 anos de escrevia “aki”, “vc”, “BjUuU”, entre outros. De início era bem dia a dia, mas com o passar dos tempos a coisa mudou e hoje não consigo achar outras palavras pra descrever: isso aqui é um BLOG, com todas as letras da palavra, abordando os vários sentidos que a mesma pode ter. E depois de 12 anos blogando (quase 11 deles já nesse mesmo blog aqui) eu não consigo mais ficar sem isso.

Porém, desde que o “boom” dos blogs aconteceu eu escuto a opinião das pessoas e da mídia super dividida em relação ao assunto. Quando eu estava no primeiro ano, em 2005, estávamos estudando sobre o diário e o blog e tive colegas de sala na escola que disseram “ninguém mais tem blog, flog é que é legal” e fiquei danada da vida, levantei a mão pra falar (coisa que eu quase nunca fazia) e desatei a dar minha opinião positiva, deixando claro que eu tinha e amava. É louco porque até hoje é assim, enquanto alguns dizem que os blogs são o futuro e que não vão parar de crescer, tem aqueles que acham que já é passado, que acabou, que perdeu seu sentido.

E agora eu pergunto a você, caro leitor (ficou formal isso, dexa eu reformular: querido leitor!): por que VOCÊ ainda não parou de blogar? Foi por dinheiro? Foi pra “botar tudo pra fora”? Foi por vontade de escrever, de melhorar algo, de não desistir? Seja qual for o motivo tenho certeza que é porque você decidiu assim, e pra mim não tem motivo mais válido do que isso.
O meu motivo (além de adorar isso tudo) é que gosto de escrever, eu continuaria escrevendo aqui mesmo que fosse para ninguém ler, gosto tanto que gosto até de ler o que outra pessoa escreveu. E enquanto eu tiver ideias na cabeça e capacidade de expressá-las com palavras eu digo que, por mim, VAI TER BLOG SIM! Vai ter blog sempre, e vai ter blog por causa do motivo escolhido por quem quer que seja que continue na blogosfera. Porque os motivos são muitos, mas todos os blogueiros que conheço têm um em especial em comum: AMOR!

Continue Reading