Eu odeio ter um nicho!

Eu odeio ter um nicho: imagem de um comenputador aberto sobre uma cama, de fronha com padrão azul e branco. No canto há um mouse e, em cima do teclado, um fona de ouvido.

Desde que a palavra “nicho” e a necessidade de expor o meu para quem visita o blog surgiu na minha vida, mais ou menos nos últimos 8 anos, por aí, eu tenho muita dificuldade de definir o meu. Achei que “blog pessoal” poderia segurar isso bem, mas nem tudo o que falo é pessoal, apesar de quase sempre ter minha opinião por trás, então não vale. Por muito tempo coloquei no subtítulo ‘Momentos, sentimentos e cultura inútil”, pra suprir a parte do pessoal, de fato, os textos autorais que muitas vezes vêm com desabafos e a última expressão cobria todo o resto. Mas ainda tava errado porque eu NÃO ACREDITO em cultura inútil, pra mim TUDO é cultura e TUDO é útil, como podia ter uma contradição tão grande na apresentação daquilo que mais fala por mim na vida? Desatei a repensar.

Troquei o “inútil” por “pop”, assim deixaria claro que tô falando de cultura pop, mas também não é verdade já que eu produzo algum conteúdo erudita aqui e ali, sim. Só “cultura” também não gosto porque, novamente, é uma coisa ampla demais pra nomear a pequeneza do que gosto… Por fim, tentando firmar minha imagem de educadora de artes fechei em “Momentos, sentimentos e todas as artes”, dessa forma posso falar de forma acadêmica sobre artes plásticas, mas também bem informalmente sobre filmes, livros, música, as próprias artes plásticas, também, e o que mais vier, até tombando pra itens colecionáveis, etc. Enfim achei meu nicho, se puder chamar assim, e ele é abrangente pra caralho caramba, mas ainda assim não é abrangente o suficiente porque eu sou muito mais que isso. E uma coisa que eu já sabia lá no início se confirma todos os dias pra mim:

Eu ODEIO ter um nicho!

Eu odeio ter um nicho: imagem de um comenputador aberto sobre uma cama, de fronha com padrão azul e branco. No canto há um mouse e, em cima do teclado, um fona de ouvido.

Ok, ok, confesso, se tem alguém que funcionaria perfeitamente atuando numa coisa só, essa pessoa sou eu. Sabe aquele tipo de gente que precisa realmente SABER das coisas antes de falar? Que pesquisa, nunca acha suficiente e pesquisa de novo, que se erra tenta deixar isso sinalizado de todas as formas possíveis? Eu sou um pouco assim, sim. Não gosto de falar do que não entendo! Por isso seria ideal achar um foco e cair de cabeça nele, afundar naquilo ao máximo e praticamente respirar o assunto. Mas mais do que isso, eu sou uma pessoa que precisa amar o que faz, e (caramba) eu amo muitas coisas. Escolher uma só é difícil, prefiro essa profundidade acontecendo para todos os lados, de forma que nada que mora aqui no meu coração fique negligenciado. Queria falar tudo o que sei sobre todas essas coisas!

Aí você lê tudo isso e pensa “Uai, minha filha, FALA SOBRE TUDO ENTÃO!”, mas eu não tô disposta a abrir mão de tentar fazer isso aqui dar certo. Sei que atualmente a gente tem essa impressão de que todo mundo quer ser “influenciador digital” (expressão que eu DETESTO e sempre opto por “criadora de conteúdo”), mas veja bem: viver de escrever, e principalmente de escrever produzindo para internet, é algo que eu quero praticamente desde que comecei, 17 anos atrás. Ao contrário do que muita gente pensa, naquela época algumas pessoas já ganhavam grana assim, mesmo que de formas diferentes, e eu venho desde então tentando fazer o mesmo. Falhei muito mais do que me conquistei, sim, mas é o que mais amo, o que faço melhor… Não vou abrir mão, e se o ideal é ter um nicho (ainda que amplo e improvisado), ficarei com ele!

Ainda assim é um saco, claro que é, ter que me virar pra encaixar o que não se encaixa aqui e ali. É um saco principalmente não conseguir! E, sendo bem sincera e talvez me contradizendo mais uma vez, continuarei escrevendo aqui mesmo se for pra ninguém ler, meio que “pagando pra trabalhar”, como já foi tantas vezes e não desisti…. No fim das contas nem existe conclusão nenhuma nesse texto que você acabou de ler, só uns pensamentos jugados aqui e ali, mas são pensamentos que posso publicar porque fazem, de fato, parte do meu momento, dos meus sentimentos, e até de algumas entre todas as artes!

Sexta do Blog

Esse post faz parte da Blogagem Coletiva Sexta do Blog! Visite também os outros participantes: Não me Venha Com Desculpa, Pandinando, Algumas Observações, Confabulando, Justo Eu, Camila por Aí, Profano Feminino, Inventando Assunto, Like Paradise e Tô Pronta.

Continue Reading

Abrindo MEI como Criador de Conteúdo (blog, YouTube, redes sociais)

Abrindo MEI como Criador de Conteúdo: foto de documentos relacionados à abertura do Micro Empreendimento Individual (Certificado de Condição, ficha de inscrição na prefeitura) cercado de item de papelaria (caneta, lápis, post it e agenda), todos cor de rosa, sobre fundo preto.

Em agosto de 2019 a quantidade de trabalhadores informais no Brasil correspondia a 41,3% da população ocupada, o que de acordo com o IBGE era um índice recorde até então (fonte). Por mais que esse tipo de atividade contribua para a queda da taxa de desemprego, não traz estabilidade para quem exerce em caso de emergências, pois sem a contribuição para o INSS (que ocupa uma parte do salário da qual quem trabalha geralmente não pode abrir mão) benefícios que suprem essa demanda temporária não estão à disposição de quem é informal. Muitas vezes a produção de conteúdo para internet é essa ocupação através de blogs, vídeos no Youtube e outras redes sociais, seja o foco delas texto ou audiovisual. Como opção de formalização a quem ainda tem baixa renda e não quer ficar desamparado existe o MEI: Microempreendedor Individual!

Abrindo MEI como Criador de Conteúdo: foto de documentos relacionados à abertura do Micro Empreendimento Individual (Certificado de Condição, ficha de inscrição na prefeitura) cercado de item de papelaria (caneta, lápis, post it e agenda), todos cor de rosa, sobre fundo preto.

O que é MEI? O que preciso para ser também?

Microempreendedor Individual é uma categoria de formalização de negócios ou trabalhos por conta própria para quem fatura até R$81 mil por ano (em média R$6750 ao mês). Para isso a pessoa não pode, também, participar como sócio, administrador ou titular de outra empresa. Como vantagem terá um CNPJ e direito a benefícios como auxílio-doença, salário maternidade, pensão por morte para a família e aposentadoria por invalidez. Além disso poderá emitir nota fiscal e, assim, fornecer serviços para órgãos governamentais, entre outros. Para manter os benefícios é necessário estar com o pagamento da contribuição mensal (DAS) em dia.

Como e onde fazer o cadastro? Quanto preciso pagar?

O cadastro para MEI é feito EXCLUSIVAMENTE no Portal do Empreendedor, site pertencente ao Governo Federal onde você realiza não só essa inscrição, mas tem acesso a outros serviços como comprovantes, DAS, financiamentos, declaração anual de faturamento e afins. Não existe taxa de cadastro, apenas a contribuição mensal que corresponde a 5% do valor do salário mínimo para o INSS + R$5 de ISS se for um serviço e R$1 se for comércio ou indústria. Em 2020 esse valor varia entre R$52,25 e R$58,25 ao mês, dependendo do(s) tipo(s) de atividade cadastrada.

ATENÇÃO! Não existe NENHUMA taxa de inscrição além dos DAS mensais! Tome cuidado ao realizar cadastro em sites que não o Portal do Empreendedor, pois existem páginas que se passam por ele e cobram um valor adicional inicial. Não confie nelas! Caso tenha dúvidas sobre valores, contribuição e afins, contrate um contador para auxiliar, ao invés de serviços duvidosos. Além disso é possível sanar várias questões diretamente no site oficial!

Para realizar seu cadastro você precisa ter como arquivo digital RG, título de eleitor e comprovante de endereço, que serão anexados à Receita no momento da inscrição. Ao fim será gerado seu Certificado da Condição de Microempreendedor Individual, que consta todos os seus dados como pessoa jurídica, inclusive o CNPJ que é fornecido imediatamente. Guarde esse documento, ele é a prova de que sua pessoa jurídica existe! A data de início da situação cadastral vigente é a mesma data do cadastro, não tem período de espera.

Que categoria(s) usar como Criador de Conteúdo?

Profissões intelectuais, como escritores e cientistas, ou regulamentadas não podem ser MEIs. Dessa forma a produção de conteúdo de um modo geral fica pouco amparada na hora da inscrição, por muitas vezes se enquadrar na primeira categoria e, claro, ser uma atividade muito nova que ainda está sendo entendida pelo mercado. Ainda assim existem opções que contemplam blogueiros, YouTubers e produtores de outros conteúdos digitais. É possível ter até 16 atividades cadastradas, sendo 1 a principal e outras 15 secundárias! A seguir, algumas sugestões de CNAE ( Classificação Nacional de Atividade Econômica) para encaixar as que forem pertinentes:

Editor(a) de revistas (5813-1/00) – Edição de revistas.
Editor(a) de lista de dados e outras informações (5819-1/00) – Edição de cadastros, listas e outros produtos gráficos.
Editor(a) de jornais não diários (5812-3/02) – Edição de jornais não diários.
Editor(a) de vídeo (5912-0/99) – Atividades de pós-produção, cinematográfica, de vídeos e de programas de televisão não especificadas anteriormente.

Pessoalmente, por exercer outras atividades além da produção de conteúdo, também me cadastrei em outras categorias que não as mencionadas acima, listadas a seguir a quem também necessita utilizar as mesmas: Artesão em papel independente (1749-4/00) como Ocupação Principal por causa da minha loja virtual de cadernos artesanais (origem do Nome Fantasia escolhido), Restaurador(a) de livros (9529-1/99) e Professor(a) particular (8599-6/99), que são minhas formações acadêmicas como bacharela em Conservação-Restauração de Bens Culturais Móveis e especialista em Ensino de Arte. Também coloquei como forma de atuação os Correios, além da internet, por causa da loja. A Lista Completa de Atividades Permitidas está no Portal do Empreendedor.

Outras dúvidas comuns:

Como faço para emitir Nota Fiscal Eletrônica (NFe)? Os procedimentos para emissão da nota fiscal eletrônica variam de acordo com o município onde seu negócio está registrado, portanto as orientações variam de lugar para lugar. Em Belo Horizonte, por exemplo, é necessário realizar seu cadastro no Sistema BHISS Digital.

Posso ser MEI e ter carteira assinada ao mesmo tempo? (por Malu Silva) Sim! É possível abrir seu MEI mesmo se já tiver um emprego no regime CLT, desde que cumpra os requisitos da categoria. Mas atenção: caso seja demitido, você perde o direito ao Seguro Desemprego, pois constará na Receita Federal que tem outra fonte de renda. Além disso, abrir um negócio da mesma categoria que aquele onde você já trabalha pode ser considerado concorrência empresarial, então se for seu caso converse isso com o chefe ou responsável antes para evitar demissão por justa causa.

MEI conta no tempo de contribuição para me aposentar? Não exatamente. Se sua contribuição nessa categoria for superior a 180 meses (ou seja, 15 anos), pode entrar, sim, no cálculo. Além disso é possível complementar a contribuição mensal para atingir o valor necessário (mais 15% do valor do salário mínimo em vigor), mas isso não deve ser feito no Portal do Empreendedor e sim diretamente na Previdência Social.

E você, já se formalizou?

Sexta do Blog

Esse post faz parte da Blogagem Coletiva Sexta do Blog! Visite também os outros participantes: Não me Venha Com Desculpa, Pandinando, Algumas Observações, Confabulando, Justo Eu, Camila por Aí, Profano Feminino, Inventando Assunto, Like Paradise e Tô Pronta.

Continue Reading

Dançarina Imperfeita

Dançarina Imperfeita

Dançarina Imperfeita (Work It) *****
Dançarina Imperfeita Elenco: Sabrina Carpenter, Jordan Fisher, Liza Koshy, Keiynan Lonsdale, Drew Ray Tanner, Michelle Buteau
Direção: Laura Terruso
Gênero: Comédia
Duração: 93 min
Ano: 2020
Classificação: 12 anos
Sinopse: “Ao perceber que sua melhor chance de entrar na faculdade de seus sonhos é através de uma competição de dança, Quinn Ackerman (Sabrina Carpenter) recruta um grupo de dançarinos desajustados para derrubar o maior grupo da escola… agora ela só precisa aprender a dançar.” Fonte: Filmow.

Comentários: Para entrar na Universidade Duke, onde seu pai estudou e sempre sonhou ingressar, Quinn passou a vida mantendo as notas altas, se jogando nas tarefas extracurriculares e cuidando do currículo exemplar… Mas isso não foi suficiente! Quando sua entrevistadora pede por algo diferente ela acaba mentindo que está no grupo de dança da escola, onde sua melhor amiga é parte integrante, e tem a ideia de montar o próprio grupo para sustentar a mentira. Após encontrar a equipe perfeita, e muito inusitada, só falta achar o coreógrafo ideal, que é a parte mais difícil, já que ela está determinada a conseguir a ajuda de Jake, um dançarino que abriu mão da carreira após se machucar e teme que isso o impeça de ter sucesso ao voltar pros palcos… Sua missão é, antes mesmo de entrar para o concurso que a avaliadora indicou, conseguir convencê-lo a enfrentar o desafio!

Filmes e séries de dança estão super em alta na Netflix, que vem lançando um atrás do outros nos últimos meses… Mas se existe persistência na frequência do tema é porque tem dado ibope, né? Pelo menos imagino que sim. Apostando em rostos conhecidos de suas outras produções como Sabrina Carpenter (Crush à Altura) e Jordan Fisher (Para Todos os Garotos: P.S. Ainda Amo Você) nos papéis principais, a produção traz uma comédia romântica adolescente com tudo o que o gênero pede: um casal cheio de química, reviravoltas facilmente solucionáveis (mas que você morre de medo da solução não chegar!) e coadjuvantes extremamente divertidos, cuja personalidade nos cativa de cara e queremos ser amigos de infância de todos, mesmo com a diferença de idade. Tudo isso somado a cenas de dança incríveis e até copiáveis, que dão vontade de reproduzir enquanto o enredo se desenrola.

Dançarina Imperfeita
Dançarina Imperfeita: Imagem via Elite Daily

A princípio tive receio de comparar esse filme com Feel The Beat, que saiu recentemente na mesma plataforma de streaming, por ter temática similar, mas as personagens e mensagem principal são bem diferentes, não tem MESMO como um interferir na opinião do outro: o primeiro tem cenas sentimentais fortes, esse foca bem mais no humor, fazendo com que os pontos que deveriam tocar o expectador, como os motivos pelos quais Quinn quer tanto ir pra Duke, fiquem explicados apenas superficialmente, você não se conecta profundamente com as razões dela. Outra coisa que queria ver mais a fundo é sobre os colegas de equipe, que têm potencial pra se mostrar muito mais, mas ficam sem espaço devida à curta duração do longa. Essas particularidades, porém, são importantes na construção da coreografia do clímax, então temos um gostinho delas, pelo menos.

Apesar do casal protagonista ser bem legal o grande destaque mesmo é a Liza Koshy, que interpreta a melhor amiga bailarina. Quem assiste torce pelo sucesso da equipe muito por causa dela, que precisa realmente dessa atividade para chamar atenção das universidades, e os “vilõezinhos” da escola, que têm pouquíssimo carisma, entram em choque sempre com ela em especial, não com a mocinha. Além disso ela dança LINDAMENTE, até a postura nos momentos mais corriqueiros são típicas de quem pratica o esporte. É muito legal analisar o contraste entre esse “trio” de maior importância, porque ela e Jake impressionam pela perfeição na mesma intensidade que Quinn cativa por ser, de fato, uma Dançarina Imperfeita, e todos os eles conseguem ser bem sucedidos em seu estilo pessoal (além de serem visualmente lindos demais, não dá pra discordar)!

Trailer:

Continue Reading

Um blazer de oportunidades

Shoulder - Blazer

A frustração era perceptível em cada pedacinho de seu corpo: ombros curvados para frente, olhar cabisbaixo e boca claramente virada pra baixo, como um emoji triste que se envia no meio da conversa. Ainda não entendia bem como os eventos daquela tarde tinham acontecido, mas sabia que não era difícil entender… Marta foi demitida após anotar um número de telefone errado, o que custou não só seu emprego mas também a paz no casamento de seu chefe. Como podia ter sido tão burra a ponto de confundir as vozes de duas mulheres? E como ELE podia ser tão burro ao sugerir que “a outra” ligasse para o escritório? Não conseguia deixar de pensar que estava pagando pelo erro de um marido traidor, isso sim, mas esse pensamento não traria seu emprego de volta, de qualquer forma…

O blazer recém comprado parecia zombar dela no armário. Na semana anterior, quando foi comprar algumas camisetas para presente de dia dos pais, o viu na vitrine ao lado e não resistiu, entrou para experimentar e três minutos depois saiu da loja com ele na sacola. O objetivo era usar no próximo mês, num evento grande da empresa, onde mostraria o quão “mulher de negócios” sabia ser para, quem sabe, ser promovida em breve. Afinal, estava lá há tanto tempo, fazendo um ótimo trabalho, não tinha motivo para não ser escolhida para o novo cargo. É, pelo visto, sua falta de atenção foi motivo suficiente… “Que ódio!” gritou para o blazer, colocando nele a culpa que mais cedo havia sido jogada toda sobre ela, afinal, não tinha mais ninguém ali pra receber essa frustração.

Não ligou a televisão e fez questão de manter a internet do celular desligada. Não queria conversar sobre aquilo, agora. Dormiu na esperança de acordar renovada, mas as 23 mensagens da mãe não vistas na manhã seguinte questionando por que estava sumida, “Filha, você tá bem? Marta, me responde senão chamo a polícia!”, mostraram que sua derrota ainda estava lá, e que não podia permanecer em segredo por muito tempo. Ligou para ela e chorou pela primeira vez desde que tudo aconteceu, o que foi bom para aliviar um pouquinho sua tristeza. Decidiu então que, uma vez que a notícia tinha começado a se espalhar, ia aproveitar pra contar pra todo mundo de uma vez! Ai, droga, ela tinha tagarelado TANTO no domingo com o pai sobre seu sucesso profissional, como falar aquilo pra ele naquele momento?

Shoulder - Blazer
Imagem via: Shoulder

Naquela mesma noite sentou-se na frente do computador para atualizar o currículo e analisar como economizar ao máximo enquanto dependesse do seguro desemprego… E se não conseguisse outro emprego nesse meio tempo? Ela não queria abrir mão daquele apartamento, o aluguel era barato e a localização incrível! Ali só tinha um quarto, não dava sequer pra procurar outra pessoa pra dividir. O desespero começou a realmente dominar suas emoções e, quando estava prestes a voltar a chorar, o celular começou a vibrar, um número desconhecido estava ligando. Atendeu segurando o choro ao máximo e quase não conseguiu lidar com o choque ao ouvir a, agora inconfundível, voz de Áurea, (ex?) esposa de seu (ex!) chefe. O que estava acontecendo? Será que ia ouvir mais gritos raivosos?

Mas Áurea estava agradecendo pela gafe da véspera! Agradecendo por ter causado toda a confusão que expôs anos de traição em seu casamento há muito tempo já falido, nas palavras dela. Estava furiosa com o fato de que tinha perdido meu emprego por causa da troca de telefones, justo agora que ela tinha admitido pra si mesma que a culpa era, realmente, sua. Conversaram por longos motivos sobre o que fazia no trabalho até então, sobre a promoção que esperava receber e (caramba!) sobre o fato de que Melinda, filha de sua prima, fazia estágio em uma empresa que procurava alguém para um cargo parecido… O salário não era o mesmo que almejava, mas seria um bom recomeço.

A ligação que começou com ameaça de lágrimas terminou com um sorriso reluzente. Revisou o currículo com ainda mais atenção e colou o papel com horário da entrevista que faria e endereço do lugar na tela do computador, pra não esquecer de jeito nenhum. Estava se questionando se devia contar pra alguém, ou esperar mesmo o resultado, quando Áurea enviou uma mensagem dizendo “Eles são bem sérios, tenta usar uma roupa formal!”, então correu até o armário e alisou com carinho o blazer, que dessa vez parecia ter abandonado o ar zombador do dia anterior e agora fazia questão encorajá-la a seguir em frente, numa reviravolta imediata e inesperada.

Continue Reading

Aquela Camiseta Longline

Camiseta Longline

Você provavelmente nem repara em mim ao entrar aqui em casa, mas garanto que o Chefe sim. Sou um dos primeiros objetos que ele pega, antes mesmo de dar comida pro cachorro (e repreendê-lo por ter me escondido mais uma vez), tirar o relógio ou colocar sua camiseta longline masculina e calça jeans para lavar, substituindo por uma bermuda velha. Ele me procura antes de poder usufruir dos meus serviços, muitas vezes deixando tudo ligado enquanto toma banho ou coloca a comida congelada que trouxe em sacolas de supermercado no microondas, prestes a comê-la jogado no sofá enquanto assiste a um filme qualquer que eu o ajudei a encontrar depois de poucos minutos de indecisão…

É, você provavelmente não repara em mim, mas ele sim, pois eu sou o controle remoto da televisão, e pertenço a um homem chamado Dante Homem de Lama, o que não torna minha vida muito emocionante. Dante sempre assiste aos mesmos canais, consome os mesmos alimentos, usa as mesmas cores e estilo de roupas e leva seu cachorro para passear no mesmo horário, antes de sair de casa carregando a mesma pasta que tem há anos. De vez em quando sai para tomar cerveja, mas sempre volta sozinho, sua única companhia humana ocasional é uma jovem chamada Marta, que esteve aqui pela última vez no Dia dos Pais.

Sim, sim, eu sou um objeto inanimado, mas sempre sei que dia é hoje! Meu próprio nome diz, tenho controle de tudo ao meu redor, e sabia que Marta não deixaria de passar esse dia ao lado do pai. Estávamos eu e ele naquele fim de manhã de domingo jogados no sofá quando o interfone tocou pela primeira vez, eu soube que a pessoa que podia trazer um pouco de variedade ao meu trabalho estaria, em breve, entrando por aquela porta. Dante me colocou posicionado de forma que eu conseguia ver a entrada do apartamento, mas fiquei surpreso quando, após atender o chamado, saiu por ela e voltou com um pacote cheirando a comida. Passei os minutos seguintes decepcionado, ela nunca tinha esquecido…

Camiseta Longline
Imagem via: Key Design

… mas enfim veio o segundo chamado, menos de meia hora depois! Marta entrou carregando uma sacola de presente, cheirando a seu habitual perfume e levando a alegria de sua voz melodiosa a cada canto da casa. Perguntou se a comida que havia mandado já tinha chegado e, antes mesmo que ele confirmasse, já estava na cozinha tirando pratos, talheres e toda a felicidade do mundo de dentro dos armários. Nem mesmo a expressão séria do pai faz com que ela se abale. Ao mesmo tempo que arrumava a mesa ela veio até mim e clicou no botão “Mute”, para que as explosões de um filme extremamente repetitivo de ação não atrapalhasse a conversa que teriam, praticamente um monólogo. Então, conseguindo fazer tudo de uma vez com extrema facilidade, entregou enfim a ele seu presente, lhe dando um abraço.

Uma, duas, três cores diferentes de camiseta longline foram tiradas da caixa, todas em tons neutros, e mesmo de dentro do recipiente onde fui colocado consegui vislumbrar um projeto de sorriso no rosto do presenteado, o que ela sabia ser mais do que suficiente para provar uma aprovação. Dante sequer sabia o nome do modelo, mas a filha sim, disse notou que é só isso que ele veste, sempre nas mesmas cores, e sabia que se apostasse ali não tinha como errar. Ele deu de ombros murmurando “Nem reparei que me visto desse jeito” e ela reafirmou o que já havia sido dito, “Pois eu reparo!”.

As tardes com Marta sempre parecem passar rápidas demais, e a programação da televisão nunca é tão envolvente quanto ela, para nenhum de nós. Sua curiosidade transforma as semanas monótonas do pai em eventos arrepiantes, seja querendo saber como vivem seus colegas de trabalho de vida desinteressante ou onde tinha ido parar a pulseira de ouro que ele costumava usar, mas que sequer notara que estava há dias sumida. Sua vinda traz luz, mas a ida também faz parte do processo, levando consigo um abraço de despedida, nos deixando iluminados apenas pelos programas que fielmente forneço a ele que chamo de Chefe, e sequer sabe disso.

Continue Reading